Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




VitalFontes.jpg

Vital Fontes foi mordomo da casa real e do Palácio de Belém, ao longo de 60 anos, testemunhou a vida de reis e presidentes, e fez um livro com as suas memórias, em 1945, que regressa às livrarias. Do "segredo da morte de D. Pedro V", a incidentes em jantares no Paço da Ajuda, das visitas de Estado de Eduardo VII e Afonso XII, às aventuras de D. Luís, da instalação de D. Carlos em Belém, às férias na Gandarinha, em Cascais, somam-se os testemunhos em “Vital Fontes. Servidor de Reis e de Presidentes", livro há muito esgotado, retomado agora numa edição partilhada pelo Museu da Presidência da República e a Imprensa Nacional.

O funcionário que chegou ao Paço da Ajuda como moço de sala, no reinado de D. Luís, e saiu do de Belém como mordomo do Presidente Óscar Carmona, que viajou em comitivas e se manteve sempre "às ordens" de suas excelências, recorda "o último dia da monarquia" e a chegada de Teófilo Braga, após a implantação da República - "um sábio", que chegava de carro elétrico e preferia usar os transportes públicos.

Vital Fontes fala de Manuel de Arriaga, António José de Almeida, Afonso Costa e Machado dos Santos, de Sidónio Paes e Canto e Castro, do Duque de Palmela e de João Franco, recorda as decisões para a emissão da nova moeda, as desavenças entre ministros e conflitos que desgastaram a I República.

"Quando Teixeira Gomes esteve em Belém [1923-1925], reinou grande ordem no palácio, muito elegância e bom serviço", recorda o mordomo, a propósito do escritor e antigo embaixador em Londres, que morreria em 1941, na Argélia, como "o exilado de Bougie".

Vital Fontes lembra, igualmente, pelos seus olhos, o golpe de 28 de maio de 1926, as decisões de Bernardino Machado, a chegada de Gomes da Costa à Presidência e, por fim, o Estado Novo, com Óscar Carmona, o presidente "muito friorento", e Oliveira Salazar, sem deixar de lado incidentes como a visita de Norton de Matos, Mendes Cabeçadas e Tito de Morais, em 1931, quando comunicam a Belém "a constituição da Aliança Republicana-Socialista".

Para o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a reedição destas memórias é “um duplo dever institucional”: por um lado, o manter uma atividade editorial do Museu e, por outro, “o dever de assinalar a continuidade institucional da Chefia do Estado”.

Explica Rebelo de Sousa que esta “não se cinge ao relevo dado aos [sucessivos] titulares do cargo, antes abarca tudo quanto traduza tal continuidade”, tal como "acontece com o testemunho vertido na presente obra”.

O livro “Vital Fontes. Servidor de Reis e de Presidentes” foi editado pela primeira vez em 1945, quando o antigo mordomo tinha 84 anos, por iniciativa do jornalista Rogério García Pérez (1890-1979), que o conheceu numa viagem oficial do Presidente Óscar Carmona, em 1938, a Angola e S. Tomé e Príncipe.

O jornalista ficou fascinado com a experiência de vida do mordomo, e convenceu Vital Fontes a publicar as memórias de um quotidiano palaciano, de protocolo e receções, quer sob a bandeira azul e branca, da monarquia, quer sob a verde e rubra, da república.

Depois de servir como soldado, Vital Ferreira Fontes entrou ao serviço da Casa Real, em 1886, por altura do casamento de D. Carlos com D. Amélia, e manteve-se em serviço até 1936, quando “uma das suas obrigações no Palácio de Belém [era] dar corda aos vários relógios, antigos e complicados”.

García Pérez escreve que, “instado”, Vital Fontes “foi ditando a medo, com receio de falar de mais, de ser indiscreto, desrespeitoso”, aquilo de que se lembrava.

E lembrava-se de muito, como da morte do Rei D. Pedro V: "Pelo que ouvi, foi dum envenenamento que morreram o bondoso monarca e seus irmãos, os Príncipes D. Fernando e D. João”, tendo-se salvado outro dos Príncipes, D. Augusto, por intervenção do clínico José Caetano. “Não sei o que dirão os senhores historiadores, mas o que no paço então se dizia, era isto”, argumenta.

O mordomo não escondeu a sua admiração pela Rainha D. Maria II, que fazia renda no passeio público, em Lisboa, e “castigava os Príncipes à vista de todos, para dar o exemplo”.

VitalFontes01.jpg

Dos banquetes, recordava “o problema tremendo” do serviço de frutos à mesa, na base de uma “luta desumana”, para alguns convidados. “Quantas vezes aconteceu ver-se uma pera projetada mesa fora ou uma laranja esguichar os vizinhos!”, contou. Por isso, passaram a ser servidos salada de frutos ou frutos com gelado.

A Rainha D. Maria Pia, mulher de D. Luís, “muito bem-educada, punha à vontade os novatos e mostrava-lhes como se pode comer elegantemente um fruto sem usar faca". Lavava-o ou "limpava-o bem no guardanapo, e comia delicadamente, cravando os dentes, sem abrir muito a boca”, recordou o mordomo.

Da atrapalhação em usar os talheres até à forma de colocar o guardanapo, ou usarem faca e garfo para comerem espargos, “em vez de os chuparem elegantemente”, muito fixou o olhar do servidor.

Sobre o Presidente Carmona, Vital Fontes não se quis “alargar”: “Não devo falar muito, para que não se julgue lisonja ou servilismo o muito de agradável dele que poderia dizer”.

Quando editou estas memórias, em 1945, Vital Fontes somava 84 anos de vida e 14 de aposentação, desde 1931, embora se tivesse mantido "ao serviço" da Presidência até dezembro de 1936, e acompanhado Óscar Carmona, na viagem a São Tomé e Angola, em 1938.

O Museu da Presidência da República numa nota prévia, afirma que “todas as memórias espelham o olhar, as vivências e o tempo de quem as relata e as de Vital Fontes não são exceção”. A edição inclui elementos de contextualização, situando o relato no tempo e no espaço, em cada capítulo.

Vital Fontes nasceu em 06 de novembro de 1861, no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, e morreu aos 94 anos, numa "casa modesta dos Telheiros da Ajuda", em Lisboa, onde permanece “uma vaga memória de um antigo mordomo dos palácios”, escreve o museu.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Visitas

Flag Counter