Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Capa_Doida N�o e N�o!.jpg

 

"Doida não e não!", de Manuela Gonzaga, romance sobre o amor proibido da filha do fundador de Diário de Notícias, que levou à declaração da sua loucura, e 1918, teve nova edição.

 A obra tem por protagonista Maria Adelaide Coelho da Cunha, filha de Eduardo Coelho, que, em 1918, aos 48 anos, abandonou o marido e a casa da família, no palácio de S. Vicente, na Graça, em Lisboa, para ir viver "para uma aldeola perdida" com o seu motorista de 26 anos, um caso que "ultrapassa a ficção", como disse à agência Lusa a autora, e que levou à detenção dos protagonistas.

A primeira edição de "Doida não e não!" data de março de 2009, e regressou aos escarapates das livrarias.

Em declarações à Lusa, a escritora disse que, "na posse de mais dados", resultado do acesso à biblioteca do palácio de S. Vicente, onde Maria Adelaide Coelho da Cunha viveu, e da descoberta de papéis guardados num fundo falso de uma escrivaninha, permitiram "tecer e cruzar" factos e "encontrar uma lógica" para os acontecimentos, "como se de uma tapeçaria se tratasse", cita o DN.

"A imaginação é mais pobre que a realidade que lhe é dada pela 'cornucópia' de acontecimentos rocambolescos em torno do caso", frisou. Manuela Gonzaga não tem dúvidas: "Foi de facto uma história de um grande amor".

Maria Adelaide Coelho da Cunha "abandonou tudo, riqueza e posição social, pelo motorista, Manuel Claro". "Enfrentou o marido, foi uma luta de titãs. E, contra tudo e todos, foi viver com Claro”, disse.

O caso fez 'correr tinta' nos jornais, levou à publicação de vários livros e foi manchete nos jornais da época, em 1918-1919, quando a “gripe espanhola” ceifava vidas e a Grande Guerra preocupava uma República ainda recente.

Para Manuel Claro, Maria Adelaide, rica herdeira do Diário de Notícias e muito estimada nos círculos literários e mundanos da capital, "foi a mulher da sua vida".

O motorista, referiu Manuela Gonzaga, podia ter refeito a sua vida no Brasil, "onde tinha familiares abastados", mas recusou, "por amor a ela, pois estava interditada e não o poderia acompanhar".

"Ele esteve preso quatro anos e, depois, voltou para ela que aliás o visitou [na prisão] disfarçada de lavadeira", contou a autora.

"Esta é uma verdadeira paixão, ele foi-lhe sempre fiel, apesar dos obstáculos, e ela não era uma menina, foi sempre envelhecendo e não tinha já fortuna", enfatizou.

A senhora de São Vicente, como era citada Maria Adelaide, "a dado passo e para todo o país, era bem claro que nada tinha de louca".

O título "Doida não e não!" tem origem numa argumentação de Maria Adelaide Coelho de Cunha, contra o marido, Alfredo da Cunha, que defendia a declaração de insanidade da mulher, em vésperas de ser dado como herdeiro do sogro, Eduardo Coelho, proprietário do Diário de Notícias.

O livro resulta de cerca de dois anos de investigação, da análise de "centenas de pastas", designadamente, pelo acesso que foi facilitado à biblioteca do palácio pelos atuais proprietários que nada têm a ver com Maria Adelaide ou o seu primeiro marido.

"A própria Maria Adelaide escreveu dois livros, publicou crónicas, o marido respondeu... Li relatórios médicos, cartas e até pequenos apontamentos domésticos", explicou a autora.

A sua preocupação foi "enquadrar, na época, Maria Adelaide". "Esta não é a história de uma mulher, é uma história de vários homens, de uma sociedade, de uma época", acrescentou.

O caso envolveu toda sociedade, incluindo nomes de referência como João Azevedo das Neves, Egas Moniz, Sobral Cid, Júlio de Matos, Leonardo Coimbra, Lourdes Feyo.

"Havia que equacionar esta realidade: Que senhora é esta que, de repente, em 1918, e após 28 anos de um casamento feliz, troca de roupa e vai para uma aldeola perdida por amor a um jovem de 26 anos?", perguntou.

"Este romance abalou a sociedade portuguesa e procurei trazê-lo aos dias de hoje, num discurso fluente que não fosse maçador e que levasse as pessoas a acompanhar a vida dela", disse.

Para autora, o seu livro de 400 páginas é "uma janela aberta sobre o quotidiano da primeira metade do século XX".

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter