Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

13_RetratoGeneralKeppel_1880pint.jpg

 

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), às Janelas Verdes em Lisboa, mostra pela primeira vez, ao público, “mais de três centenas de obras de todas as coleções”.

Esta é a grande exposição da próxima temporada, que abrange um período cronológico desde a Antiguidade egípcia ao século XIX, e inclui várias disciplinas artísticas, desde a escultura à pintura, passando pela cerâmica, ourivesaria, têxteis, vidro, etc.”, disse à Lusa o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, cita o Notícias ao Minuto.
A escultura de uns leões ptolomaicos, que corresponde à dinastia que reinou no Antigo Egipto, entre 305 e 30 antes de Cristo, e um óleo de Columbano Bordalo Pinheiro, do século XIX, constituem as balizas cronológicas da exposição, que inclui autores nacionais e estrangeiros.
Entre o que é mostrado pela primeira vez ao público, o diretor referiu uma coleção de desenhos do ciclo de Rembrandt (século XVII), e outros de autoria de Pietro Perugino e de Raphael (séculos XV e XVI).
As 330 peças que constituem a exposição, todas provenientes das reservas do museu, estão patentes até 25 de setembro.
“As reservas de um museu são, por natureza, um território mítico: um lugar protegido, inacessível aos olhos profanos, onde se acumula e preserva um sem-número de obras de arte”, lê-se no comunicado do Museu.

2_GenioIndependencia_578esc.jpg

 

António Filipe Pimentel afirmou que a exposição realça a necessidade de ampliação do museu, cujos constrangimentos físicos do edifício não permitem a exposição de mais peças, mas deposita esperanças no plano de pormenor das Janelas Verdes, recentemente aprovado pela Câmara de Lisboa, que “protege uma área em torno do museu, que pode ganhar uma frente nova na avenida de 24 de julho, o que lhe dará uma outra dimensão”.
O Museu está instalado no palácio mandado construir, em finais do século XVII, pelo 1.º conde de Alvor, mais tarde residência de Paulo de Carvalho, irmão do marquês de Pombal, e posteriormente, do cônsul da Holanda, Daniel Gildemeester, negociante de diamantes, e que promoveu obras de qualificação dos interiores.
O MNAA, procurando adaptar-se ao crescimento das suas coleções e às novas exigências museológicas, tem realizado sucessivas obras de ampliação, tendo integrado, no circuito expositivo, a capela do desaparecido convento de Santo Alberto, edificado entre 1583 e 1598, e, na primeira metade do século XX, com a construção do anexo poente, numa projeto do arquiteto Guilherme Rebelo de Andrade, seguindo-se um acrescento à ala oriental, feito entre 1942 e 1947, destinado a auditório, biblioteca e gabinete de estampas.

219_DESTAQUE_Fonte-lavabo_1512mov.jpg

 Recentemente, o MNAA, foi alvo de obras de modernização, em 1983, antes da XVIII Exposição de Arte, Ciência e Cultura, e em 1992-1994, em vésperas de Lisboa - Capital Europeia da Cultura, pelo arquiteto João de Almeida.

O Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana das Janelas Verdes foi aprovado na reunião da Câmara de Lisboa, em dezembro do ano passado, e o estabelecimento das Medidas Preventivas nas áreas adjacentes ao MNAA foi aprovado na Assembleia Municipal a 02 de fevereiro último, tendo entrado em vigor a 08 de março último.

Fotos:MNAA/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter