Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Maria Ana Bobone.jpg

Maria Ana Bobone apresenta hoje o seu “concerto de Natal”, no Casino Estoril, partilhando o palco com Camané, António Zambujo, Mikkel Solnado e Manuel Rebelo, que também dirigirá a orquestra. Maria Ana Bobone acompanha-se ao piano e conta igualmente com o seu trio de fado, constituído por Bruno Mira, na guitarra portuguesa, Pedro Pinhal, na viola, e Rodrigo Serrão, na viola baixo.

A intérprete disse à agênia Lusa que “não há fados de Natal, mas há canções natalícias do repertório tradicional que podem ser transpostas para fado”. Neste concerto, porém, vai interpretá-las com arranjos para orquestra, mas seguindo a composição melódica tradicional.

“Há músicas que são portuguesas, e são intemporais, e podem cantar-se, independentemente de um registo fadista. Vou, por exemplo, cantar um tema de Frei Hermano da Câmara, 'Cantilena da Lua Nova', que é um pouco o compromisso entre o fado e a música sacra”, afirmou, cita o DN.

Maria Ana Bobone disse que vai interpretar duetos com todos os convidados. Referindo-se a Manuel Rebelo, disse que é “pouco conhecido do grande público, mas é um cantor exímio, uma voz especialíssima”. Manuel Rebelo, que vai dirigir a orquestra, faz parte do Coro Gulbenkian. Outro tema do seu repertório que vai cantar com Manuel Rebelo é “Auto-Retrato”.

Maria Ana interpreta também vários poemas de Manuel Alegre. O poeta tem escrito para Maria Ana Bobone, nomeadamente, “Mariana”, que João Braga musicou.

Com Mikkel Solnado, Maria Ana Bobone vai cantar “If The Stars Were To Waltz”, de sua autoria, canção que faz parte do seu álbum "Smooth" (2014).

Maria Ana Bobone estreou-se aos 16 anos, como fadista, tendo concluído posteriormente os cursos de piano e de canto do Conservatório Nacional de Música de Lisboa, e, discograficamente, estreou-se ao lado de Miguel Capucho e Rodrigo da Costa Félix, em 1994, com o álbum "Alma Nova".

A solo gravou com o guitarrista Ricardo Rocha e o pianista João Paulo Esteves da Silva o CD "Luz Destino" (1996), ao qual se seguiram outros como “Nome de Mar” (2005).

Além das salas nacionais, este ano a fadista atuou no Palácio da Ajuda, em Lisboa, na cerimónia de entrega do Prémio Camões a Manuel Alegre.

Maria Ana Bobone, em termos internacionais, já cantou no Luxemburgo, Dinamarca, Espanha, Suíça, Estados Unidos, Suécia, Itália, Holanda, Marrocos e Omã, entre outros países.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Visitas

Flag Counter