Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




59a84d67ad788.png

 

Catarina Rocha estreia-se, discograficamente, no fado com o álbum “Luz”, no qual, como disse à agência Lusa, colocou as suas influências jazzísticas, sem desvirtuar as características do género.

“Temos de evoluir, e, não desvirtuando o fado em si, acho que é sempre interessante colocarmos as nossas influências. E eu juntei o jazz, que era o que eu ouvia, além de fado, e acho que o jazz ‘casa’ muito bem com o fado”, disse a intérprete.

O álbum é constituído por 11 temas, alguns inéditos. Um deles, de sua autoria, intitulado “Desencontrados”, que gravou no fado Dois Tons, de Alberto Simões da Costa, e do repertório fadista como “Chegaste em dia de sol”, apontou como “uma homenagem a António Mourão”, o seu criador.

“Quis que o álbum fosse bastante eclético, com alguns temas mais ligados ao jazz, mas também fados tradicionais, como o Dois Tons, ou o Modesto, de Júlio Proença, no qual gravei um poema de José Gonçalez, ‘Não me procures’, ou alguns clássicos, como ‘Tudo isto é fado’”, afirmou Catarina Rocha, que começou a cantar fado em 2012.

Natural de Viseu, Catarina Rocha disse à Lusa que desde sempre ouviu cantar fado, em especial Amália Rodrigues e António Mourão, mas também outros intérpretes, como Carlos do Carmo, tendo começado a cantar fado em criança, embora só se tenha iniciado profissionalmente em 2012.

A intérprete realçou a importância da “experiência de vida” para melhor interpretar fado, “pois conhece-se e perspetiva-se a letra de forma diferente”, cita o Jornal do Centro.

"Nós vamos mudando ao longo da vida, e o fado reflete muito isso", afirmou.

Catarina Rocha, além de autora de um dos poemas que canta, assina também a música de “Volta ao mundo”, de Cátia Oliveira. Tiago Torres da Silva, distinguido em 2011 com o Prémio Amália, é autor de outro inédito, de nome ”Moeda de troca”, que Manuel Graça Pereira musicou.

Questionada sobre a escolha do título do álbum, a intérprete afirmou que entende este disco “como algo que, de repente, se iluminasse” na sua vida.

“Eu decidi que tinha de fazer um álbum de fado e que se identifique comigo, mas que possa agradar a quem ouve e o possa iluminar”, disse.

Neste CD, produzido pelo músico Diogo Clemente, que a acompanha à viola, Catarina Rocha é ainda acompanhada por Guilherme Banza, na guitarra portuguesa, Marino de Freitas, na viola baixo, Vicky Marques, na percussão e bateria, e Valter Rolo, ao piano e teclas.

Foto: Jornal do Luxemburgo

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter