Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Lura.jpg

Lura apresenta o seu novo EP, “Alguém di Alguém”, no qual utiliza, pela primeira vez, sonoridades eletrónicas, como uma antecipação do seu próximo álbum, que será "uma mensagem de esperança" e sairá em 2019.

“Este é um EP, modelo discográfico muito dentro da moda, que tem três temas, ‘Nina’, que dedico à minha filha, o dueto com Gaël Faye, ’Crepuscular Solidão’, e o tema que dá o título”, disse a cantora e compositora à agência Lusa, cita o Observador.

Lura definiu “Alguém di Alguém”, de sua autoria, como “um funaná com uma batida animada e alegre”. “Um tema que tem uma luminosidade, é muito tradicional, tocado com ferro e gaita, como nós dizemos, ao qual tentei dar uma roupagem moderna, ao fazer uma fusão com uma sonoridade eletrónica, como forma de o perpetuar e o trazer para hoje e para o futuro”, prosseguiu.

O funaná, explicou “tanto pode ser alegre, como tocado em tom menor, sendo mais nostálgico, e tem outras variantes, como o funaná-samba”, explicou.

Lura interpreta “Crepuscular Solidão”, um tema de Teofilo Chantre, de homenagem a Cesária Évora (1941-2011), com o cantor do Burundi, Gaël Faye, que foi distinguido este ano com o Prémio Revelação dos prémios franceses Victoires de la Musique.

“Nina” é dedicado à sua filha, atualmente com dois anos, e a razão por Lura se ter afastado dos palcos e dos estúdios, mas também aquela que tornou a cantora “mais consequente” e a “encarar a vida de uma forma mais real e mais firme e com uma maior consciência do que se passa à nossa volta, de como é importante respeitarmo-nos uns aos outros”.

Uma atitude que se reflete também no tema “Alguém di Alguém”, que é “uma crítica social, a uma certa maneira de estar menos respeitosa e é um apelo pelo respeito ao próximo e, em especial, a si próprio”.

“Este é um EP que fala de amor nas suas diferentes facetas e formas, e será este amor o tema do próximo álbum”, disse Lura, adiantando que está a estudar um produtor para ele, “provavelmente português”.

O EP, editado pela Lusafrica, sucede a “Herança” (2015). Lura iniciou a sua carreira discográfica em 1996, com “Nha Vida”. Lura estudava, na área de desporto, quando se iniciou nas lides musicais, aos 17 anos, a convite de Juka, cantor de São Tomé e Príncipe. Seguiu-se a gravação de “Mulemba Xangola”, em dueto com o angolano Bonga e, em 2004, editou o álbum “Di Korpu Ku Alma”, onde define a sua identidade musical e cultural cabo-verdiana.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter