Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

JF Promo 00.jpg

 

Jorge Fernando afirma que o seu próximo álbum, “De Mim Para Mim”, editado este mês, é “marcadamente biográfico", e anda à volta de pensamentos seus, que tentou expor em “canções simples”.

É [um disco] bastante biográfico, que anda à volta de pensamentos meus, e trazer algumas histórias que têm a ver comigo, e que tentei expor em canções simples, para que as pessoas as possam também cantar comigo", disse o músico em entrevista à agência Lusa.

O álbum é constituído por 12 canções, entre as quais “Umbadá”, à qual se referiu como o seu “segundo batismo”, num alinhamento em que o fado, género musical em que o músico mais tem trabalhado, está ausente, o que foi “de certo modo intencional”.

“No país do fado, na terra do fado, o fado não tem futuro, neste momento. Nós podemos fazer um disco muitíssimo bonito, bem cantado, com letras fantásticas, mas as rádios não estão muito predispostas a passar esse tipo de fado, mas que vai resistir e que voltará novamente o seu tempo”, afirmou o músico, com mais de 40 anos de carreira, autor de temas como “Os Búzios” e “Boa Noite Solidão”, entre outros.

O músico reconheceu a sua “quota parte de culpa” no que se passa no panorama do fado, com a introdução de outros instrumentos, como a bateria. Lembrou os dois álbuns que editou com a Brigada Victor Jara, em 1996, com Quiné, na percussão, e André Sousa Machado, na bateria. Mas realçou que os ritmos que criou então, “eram ritmos portugueses”.

Referindo-se ao novo álbum, o músico disse que “tem ritmos que são atuais, usados em tudo”, reconhecendo uma certa “estandartização, pois de contrário não se é ouvido, pois quem ouve está já ‘viciado’ neste som”.

O álbum, com produção e arranjos musicais de Jorge Fernando e José António Pedro, conta com as participações de António Zambujo, no tema “Sr. Doutor”, Agir, em “Lobisomen”, Dini D’Santiago, em vários temas, como o de abertura, “Bola P’rá Frente”, e Jorge Nunes, entre outros, em “Menino Triste”.

O convite a novos criadores “é um certo testemunho”, isto é, explicou: “Sinto-me, às vezes, como uma ponte, com todos os ensinamentos que colhi, estou numa fase intermédia, apanhei o final do período brilhante da música portuguesa, aprendi com grandes nomes – Amália, Tristão da Silva, Fernando Maurício, Tony de Matos, entre outros, sem esquecer o Fausto – e, entretanto, apanho o começo desta [nova] geração brilhante de músicos portugueses”.

Jorge Fernando assina a letra e música da maioria das canções, com exceções como “O Pobre”, que assina com Fábia Rebordão e Guilherme Banza, e “Traço”, uma coautoria com Guilherme Banza.

A comemorar 40 anos de carreira, Jorge Fernando citou Celeste Rodrigues, de 95 anos, que lhe afirmou que ele continua na música “apenas por amor à música, e não para ser ‘famoso’, mas sim à procura” daquilo que o “apaixona”.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter