Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




HelderMoutinhoCD.jpg

Hélder Moutinho apresenta hoje no Museu do Fado o seu novo álbum, “Manual do coração”, que apontou como uma proposta de “dar seguimento á construção do próprio fado”, refletindo a nossa contemporaneidade.

O CD, que é colocado no mercado na sexta-feira, partiu de uma “espécie de brincadeira”, em que o fadista lançou um desafio ao João Monge para escrever um disco inteiro para si, contou Helder Moutinho à Lusa, cita o Notícias ao Minuto.

“Eu sabia que o [João] Monge gosta de fazer discos inteiros, e por brincadeira, disse-lhe que era um sonho meu que ele me escrevesse um disco inteiro, e ele aceitou”, disse.

O álbum é constituído por 15 temas, em que todas as letras são de João Monge, musicadas por diferentes compositores, entre eles, Carlos Barretto, João Gil, Vitorino e José Medeiros, que foram escolhidos foram surgindo entre sugestões do poeta e do próprio fadista.

“O que pedi a cada um dos compositores foi que escrevessem, sem pensar no fado, fizessem uma melodia, para eu interpretar, esse sentimento fadista dar-lhe-ia a minha voz e os músicos, principalmente, o guitarra e o viola, [respetivamente Ricardo Parreira e Marco Oliveira], que somos nados no fado”.

A este duo junta-se Ciro Bertini no baixo acístico e no contrabaixo, nomeadamente nos temas “Canção em linha reta” e “Condão”.

“A ideia, no fundo, é dar seguimento à construção do próprio fado, que foi construído durante o século XIX e no passado com várias melodias de fados tradicionais e depois vários fados-canção”, explicou Helder Moutinho que gravou o CD numa residência artística em Serpa.

“Este CD pretende por um lado refletir essa herança, e por outro lado faze-lo evoluir, como que dizendo eu o fado continuar em embrião, pode continuar a crescer, pode continuar a ser construído enquanto género musical”.

Esta situação, na opinião do fadista, é observada no CD, “com novos fados-canção, e a possibilidade em dois ou três temas de se considerarem fados tradicionais, pela sua estrutura”-

Helder Moutinho referiu a melodia de “o ’Fado triste’, de João Gil, que é em quintilhas, uma melofia emq eu podemos cantar o ‘Estranha forma de vida’, o ‘Manual do coração”, de José Luís Martins, que é o Fado Moutinho, e que são sextilhas, com a tónicas e os graves no tempo certo, e o ‘Às vezes’, um decassílabo, musicado por Ricardo Parreira, que é o Fado Tio, pois ele trata-me por tio, e anteriormente tinha composto para mim o Fado Manuel Francisco, numa homenagem ao meu pai”, contou.

O fadista referiu ainda o Fado Penedo, uma composição de Mário Laginha para “Amor sem lugar”.

“Este CD foi uma aventura em equipa, tudo foi trabalhado em conjunto e o facto de estarmos juntos, num determinado espaço, numa residência artística, permitiu uma maior concentração, estávamos todos absolutamente focalizados no álbum, ali, durante 15 dias”, referiu.

Para chegara esta etapa Helder Moutinho, de 47 anos, considera essencial o percurso de aprendizagem que se faz nas casas de fado, “lidar com as pessoas mais velhas, com quem tem alguma coisa para nos dizer e ensinar, o ter de cantar todos os dias, nem sempre com os mesmos músicos, ter capacidade de improvisar porque está bem ou mal da voz”.

Por outro lado, defendeu que “um fadista não deve apenas gravar fados inéditos no primeiro ou no segundo disco, pois é importante correr o repertório antigo, revisitá-lo, para aprender com isso e como é uma herança nossa, é nosso dever trazê-lo ao de cima, e dá-lo a conhecer ao grande público, é um serviço que prestamos ao fado”.

“A nós o que nos dá um mais valia é criarmos fados, e chegou a altura ter o prazer de ter alguém a querer a escrever para mim, a compor para mim, e tudo de primeira água”, rematou.

O manual do coração” sucede a “1987”, editado em 2013, no qual o artista já gravou, entre outras, composições de João Gil e Marco Oliveira.

Em vinte anos de carreira, “O manual do coração” é o quinto álbum de Helder Moutinho, que se estreou discograficamente com “Sete fados e alguns cantos” (1999), seguindo-se “Luz de Lisboa” (2004), que lhe valeu um Prémio Amália para o Melhor Disco, em 2005, “Que fado é este que trago” (2008) e “1987” (2013).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter