Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




45436590_10156773742078637_4929914125506576384_n.j

O som da guitarra portuguesa fascinou o jovem Gaspar Varela, que começou a tocar para acompanhar a bisavó, Celeste Rodrigues, e apresenta no sábado, em Lisboa, o seu álbum de estreia, “Gaspar”, constituído por 12 composições, de autores como Carlos Paredes, um dos seus ídolos, Jan Tisky, "Lisboa ao Entardecer", Jaime Santos, "Corridinho do Mestre Zé", e José Nunes, "Vira de Frielas", entre outros.

No CD e no palco do pequeno auditório do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no sábado às 21:00, Gaspar Varela, de 15 anos, é acompanhado pelos músicos André Ramos, na viola, e Francisco Gaspar, na viola baixo.

Gaspar Varela disse à agência Lusa que o “som da guitarra portuguesa” o fascinou, assim como “toda a envolvência fadista”, tendo começado a tocar para acompanhar Celeste Rodrigues, fadista que morreu em agosto último, aos 95 anos.

O som da guitarra portuguesa e a forma como as pessoas cantam, como interpretam os fados, que é uma música linda, com uma musicalidade extraordinária, e os poemas, mesmo que alguns ainda não compreenda totalmente, as pessoas, todo este mundo fascina-me", afirmou o guitarrista, cita o Notícias ao Minuto.

Referindo-se ao álbum, Gaspar Varela declarou que contou com o apoio do seu mestre, Paulo Parreira, distinguido com o Prémio Amália para o Melhor Instrumentista em 2011, tendo optado por um alinhamento de “guitarradas clássicas”.

Entre os temas gravados, o músico destacou a participação do saxofonista Ricardo Toscano, no tema “Mudar de Vida”, de Carlos Paredes, composição para o filme homónimo do realizador Paulo Rocha, e referiu o “Fado Celeste”, de Pedro Pinhal, em que ao finalizar a composição se escuta a voz de Celeste Rodrigues.

“Canção de Alcipe”, de Carlos Paredes, de quem toca também “Dança”, abre o CD, que inclui “Lisboetas”, uma composição assinada por Gaspar e o seu irmão Sebastião Varela.

Carlos Paredes e o seu pai, Artur Paredes, são alguns dos ídolos do jovem músico, que citou ainda Raul Nery, Jaime Santos e José Fontes Rocha, “e muitos outros, tão grande e rica é a tradição”.

Reconhecendo a guitarra portuguesa como “um instrumento do fado”, o músico realçou as suas potencialidades, “nomeadamente para se entrosar com outros instrumentos e experimentar outros géneros”.

Apresentando-se a solo no sábado, Gaspar Varela afirmou que “gosta é de tocar guitarra portuguesa”, quer como solista, quer acompanhando fadistas. O recital de Gaspar Varela e a edição do CD fazem parte das celebrações do 20.º aniversário do Museu do Fado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter