Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




cartaz_F_AR.jpg

 

O Convento de Cristo, em Tomar, mostra até julho a sua botica (farmácia), abrindo a ala filipina do monumento, Património da Humanidade, ao público para mostrar o “universo místico da cura conventual”.

A exposição resulta de uma “parceria inédita” do Convento de Cristo com o Museu da Farmácia, Palácio Nacional de Mafra, Museu Nacional do Azulejo e Instituto Politécnico de Tomar, entre outras colaborações científicas e técnicas, contribuindo para o conhecimento da história da farmácia conventual em Portugal, disse à Lusa a diretora do Convento de Cristo, Andreia Galvão, cita o Notícias ao Minuto.
A exposição revela a coleção de vasos e potes da Botica do Convento de Cristo, com origem provável na Real Fábrica de Louça do Rato, em Lisboa, e na Fábrica de Faiança do Juncal.
Os visitantes têm acesso à ala filipina, a sua grande Enfermaria e Botica Nova, resultantes da última intervenção de grande vulto no Convento (séculos XVII e XVIII) e que se encontram encerradas ao público, podendo observar “o magnífico teto” e a Sala dos Cavaleiros, exemplos do “glorioso passado” do edifício, que também foi residência real.
“A viagem alarga-se aos quotidianos religiosos da comunidade de frades que habitavam o Convento de Cristo, onde exercitavam saberes para curar irmãos e populações vizinhas, demonstrando o impacto que tiveram numa região que ainda hoje conserva a sua memória”, afirma a nota explicativa da exposição.
“A Botica do Real Convento de Thomar” mostra o “acervo fantástico” de 88 potes de faiança e outros objetos (como medidas) do vasto espólio de peças reunidas pela União dos Amigos dos Monumentos da Ordem de Cristo (UAMOC) nas primeiras décadas do século XX.
A botica e a enfermaria filipinas, “perfeitamente identificadas” num portal que tem inscrita a data da fundação (ao contrário da botica anterior, do tempo de D. João III e da autoria do arquiteto João de Castilho, cujo local exato se desconhece), situam-se no que foi depois transformado em Hospital Militar, já desativado.
“Queremos dar também às pessoas uma visão que não é só da obra de arte – da botica com os seus belos objetos. É que percebam o que é todo o processo, desde a matéria-prima, que pode ser orgânica ou mineral, ou as águas, até uma certa contemporaneidade”, e na ligação à paisagem cultural, “herança das comendas da Ordem de Cristo”, disse Andreia Galvão.
A exposição tem uma “forte componente pedagógica, para as pessoas entenderam o que era o fazer, o saber-fazer, e todo este mundo fantástico e abrangente da botânica e da cura e de todo o aspeto da vida conventual”, declarou.
A exposição segue-se à que, ao longo do último ano, mostrou a louça do acervo do Convento na zona do refeitório, com a preocupação de “olhar para o contexto” e ajudar as pessoas a entenderem melhor o quotidiano da época, disse.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter