Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




CardealCerejeira-k-fr250.jpg

 

O Cardeal-Patriarca D. Manuel Cerejeira (1888-1977) foi um “intelectual de combate”, uma “personalidade fulgurante”, que “suscitou reações desencontradas”, à qual ninguém ficou indiferente, afirma o sociólogo Luís Salgado de Matos, na biografia do prelado.

Figura que mais tempo esteve à frente da diocese metropolitana de Lisboa, de 1929 a 1971, o Cardeal Cerejeira “foi uma personalidade fulgurante que marcou a sociedade portuguesa do seu tempo, e suscitou reações desencontradas, entre as quais não estava a indiferença”, afirma Salgado de Matos na obra “Cardeal Cerejeira. Um Patriarca de Lisboa no Século XX Português”.

Sobre a obra de Salgado de Matos, o atual Cardeal-Patriarca D. Manuel Clemente afirma que se apresenta “original e estimulante”, chamando à atenção para a “variedade de fontes que utiliza”, ensaiando "um retrato mais completo e complexo”, de Cerejeira.

O então Cardeal-Patriarca “promoveu e defendeu o quadro” da Concordata assinada com a Santa Sé, que vigorou a partir de 1940, como recorda Clemente, segundo o DN.

“Salgado de Matos distingue o que é próprio de cada fase do trabalho eclesial de Cerejeira. Desde que levou por diante a reconstrução material e pastoral da diocese [que na época incluía os territórios dos atuais distritos de Santarém e Setúbal], com ânimo forte e vistas largas, até aos tempos do pós-guerra [de 1939-45] e do Concílio [Vaticano II (1962-65)], em que tanta coisa mudou na sociedade e nos espíritos, pondo em causa o que parecia durar e exigindo outra clarividência e outro rasgo”, escreve Manuel Clemente.

O autor da biografia, professor na Universidade Nova de Lisboa, traça o percurso de Manuel Gonçalves Cerejeira desde o nascimento, em Lousado, em Vila Nova de Famalicão, filho de “lavradores em ascensão social”, que lhe permitiu estudar no seminário-liceu de Guimarães, em 1899, e mais tarde no curso complementar de Letras, no Liceu Alexandre Herculano, no Porto, em 1905, seguindo depois para o seminário-conciliar de Braga (1906-1909).

A opção religiosa deu-se muito cedo, segundo o próprio Cerejeira, desde que se conheceu. “Desde que me conheço, senti em mim o apelo do Senhor. Era uma voz íntima, doce, penetrante”, afirmou o prelado, por ocasião do seu jubileu sacerdotal, em 1961, cita o autor.

Segundo o investigador, Cerejeira “cultivou o estilo ‘príncipe da Igreja’ por o julgar adequado à dimensão divina da Igreja, merecedora de provas de deferência institucional da sociedade e do estado pós-laico”, o que, refere, “não deixou de ser interpretado como fruto da vaidade e, para muitos, funcionou como desedificação”.

O cardeal português, além do prestígio que alcançou em Portugal, onde a imprensa o chegou a apontar como sucessor do Papa Pio XII, desempenhou várias missões relevantes, como a direção do conclave de 1958, que elegeu João XXIII, fez parte das academias pontificais e “era adornado por elevadas insígnias papais”.

“A Santa Sé sempre apoiou Cerejeira e o Patriarca nunca abriu um conflito com o papado, antes lhe atenuando as brigas com o Estado português”, durante a ditadura do Estado Novo, com Oliveira Salazar, primeiro, e Marcello Caetano, depois, como presidentes do Conselho de Ministros.

Salgado de Matos aponta os finais da década de 1950 como “o fim da [sua] fase gloriosa”, simbolicamente quando, em maio de 1959, inaugurou o Santuário do Cristo Rei em Almada, frente a Lisboa. Na ocasião afirmou: “Se pudesse escolher o momento de morrer, escolheria este”.

Ao Cardeal-Patriarca Cerejeira, que resignou em 1971, sucedeu D. António Ribeiro, que ficou à frente do patriarcado até 1998.

Luís Salgado de Matos, jurista, sociólogo, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, tem por temas de pesquisa o Estado, a Igreja e as Forças Armadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Visitas

Flag Counter