Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



MatrizPCI_v. 1.1._2019.jpg

A plataforma digital MatrizPCI, de informação e suporte ao Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, encontra-se disponível“A nova versão do sistema disponibiliza novos interfaces ‘web’, quer para pesquisa pelo público em geral, incluindo através de dispositivos móveis, quer para utilização específica por parte de entidades promotoras da proteção legal de manifestações de Património Cultural Imaterial (PCI)”, segundo comunicado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

A plataforma, acessível em www.matrizpci.dgpc.pt, “disponibiliza publicamente um variado conjunto de recursos para a promoção da salvaguarda do PCI à escala nacional, entre os quais a legislação adotada a nível nacional, o manual de utilização do sistema e recursos documentais para a organização de pedidos de registo”, adianta o comunicado.

O alerta da inoperacionalidade da plataforma foi dado à agência Lusa no passado dia 26 de novembro, pela candidatura do bombo a Património Cultural Imaterial que, estando “pronta”, 'tropeçou' em problemas técnicos com a plataforma digital.

Na ocasião, a DGPC reconheceu que a plataforma tinha tido problemas, e adiantou que estava “em fase de validação um novo ‘site’”, que estaria “disponível antes do final do ano”, e no qual seriam “repostas todas as suas funcionalidades”.

A plataforma está agora disponibilizada, inclui o inventário nacional de PCI, a inscrição de candidaturas, e ainda “informação de central importância para a atuação qualificada em matéria de salvaguarda de PCI”, lê-se em www.matrizpci.dgpc.pt.

Esta plataforma disponibiliza, entre outros conteúdos, legislação e normativos sobre PCI, documentação e edições da DGPC, e tem uma área destinada aos jovens.

Várias comunidades e instituições que tem projetos para classificação como PCI. Um dos exemplos é a candidatura do bombo, pela associação Tocá Rufar, com o apoio da Câmara do Seixal, já este mês. A Câmara de Aveiro anunciou ter iniciado o processo de candidatura das “Festas de São Gonçalinho”, também a PCI.

Em novembro último, o coordenador da candidatura do Bombo, disse à Lusa que, na plataforma MatrizPCI, se encontravam projetos com mais de dois anos, que não tinham sido ainda avaliados, para fazerem parte da lista nacional do PCI.

Em dezembro passado o presidente da Associação Portuguesa para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, o antropólogo Luís Marques, afirmou que “a ação ministerial que tem vigorado” não era a que “mais considera ou aprecia o Património Cultural Imaterial Português, pois tem prosseguido uma política dissentida das expressões culturais imateriais tradicionais". O antropólogo alertou, na ocasião, em declarações à Lusa, para a necessidade de “uma alternativa clara à atual situação”, que qualificou como um “quase exangue serviço público, que neste domínio tem sido prestado, assentando quase exclusivamente na ‘MatrizPCI’, um dispositivo ‘online’”, que considerou “mais conforme, unicamente, com a ‘cultura imaterial de gabinete’”.

A plataforma MatrizPCI, assinala a DGPC, disponibiliza um “Kit de Recolha do PCI” visando a “sensibilização das gerações mais jovens para o conhecimento e a valorização do património (imaterial, móvel e imóvel) das comunidades a que pertencem, e que foi premiado na III edição do Prémio Ibero-americano de Educação e Museus”.

“A versão inicial do sistema foi disponibilizada ao público em junho de 2011, tendo então sido o primeiro ‘software’ no seu género a ser desenvolvido a nível internacional, em particular no que respeita à possibilidade de agilização do envolvimento dos detentores de uma manifestação de património cultural imaterial no processo da sua proteção legal”, remata a DGPC.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luísa Sobral anuncia digressão nacional

por FMSimoes, em 16.01.19

93A9991-376x563.jpg

Luísa Sobral inicia em fevereiro uma digressão por sete palcos nacionais, de apresentação do seu novo álbum, “Rosa”, editado no início deste mês.

Luísa Sobral, nesta digressão, apresenta a sua nova banda, partilhando o palco com Manuel Rocha, nas guitarras, e um trio de sopros constituído por Sérgio Charrinho, no fliscorne, Ângelo Caleira, na trompa, e Gil Gonçalves, na tuba.

A digressão abre no dia 08 de fevereiro, em Coimbra, numa sala a anunciar, e, no dia seguinte, continua na Casa da Música, no Porto. No dia 14 de fevereiro, Luísa Sobral atua em Setúbal, no âmbito do festival “Montepio, às vezes o amor”, e, no dia 22, sobe ao palco do TivoliBBVA, em Lisboa.

O quinto palco desta digressão é o Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco, onde atua no dia 09 de março, seguindo-se a Casa da Cultura de Ílhavo, nos arredores de Aveiro, encerrando no dia 23, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, a cerca de 90 quilómetros a oeste de Lisboa.

Em declarações à agência Lusa, Luísa Sobral definiu o novo álbum, “Rosa”, como “um disco de 'cantautor', em que as letras são mais importantes", em que "é quase como estar num concerto”, cita o DN.

Luísa Sobral assina, letra e música, das onze canções que constituem o CD, que tomou o nome de “Rosa”, em homenagem à sua filha, pois foi composto durante a sua gravidez, o que influenciou o trabalho final.

“Este disco conta histórias e fala de amor, como todos os meus álbuns, mas este tem uma sonoridade diferente, e as canções estão mais expostas, além da minha voz estar um bocadinho diferente, porque durante a gravidez fiquei muito rouca, o que influenciou a forma como compus, mas decidi gravar assim, com a voz que me fez escrever as canções”, disse.

 “O mais diferente é o disco ser todo cantado em português, o facto de ser tão despido, e mudei o grupo de acompanhadores, que anteriormente eram guitarra, piano, bateria e contrabaixo, mas continuo a ser eu na composição, e com as minhas características”.

Um disco “simples”, disse, mas que é o que mais gosta na arte, “pois é mais direto e chega ao coração das pessoas”.

“A palavra simples é muitas vezes subestimada, mas, para mim, simples é o melhor, é o mais fácil de chegar às pessoas. E, às vezes, vamos analisar o ‘simples’ e não é nada tão simples assim, mas acaba por parecer, e é o que mais gosto na arte, parecer simples e afinal não é”, argumentou.

Foto: DR

Autoria e outros dados (tags, etc)



Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Visitas

Flag Counter