Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

image003.jpg 

O poema “Toada de Portalegre”, de José Régio, com música de Rabih Abou-Khalil, pelo fadista Ricardo Ribeiro, estreia-se na quinta-feira, em Lisboa, com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida por Jan Wierzba.
Ao palco do Teatro de S. Luiz, em Lisboa, sobe também o percussionista norte-americano Jarrod Cagwin, que “tem um papel importante, na medida em que a música do Rabih [Abou-Khalil] é melódica e rítmica, e ele é o grande alicerce para que todos possamos estar seguros e confiantes na peça”, disse à agência Lusa o fadista Ricardo Ribeiro, que perseguia o sonho de interpretar a “Toada de Portalegre”.
Jarrod Cagwin é “um músico fabuloso”, que faz parte do ensemble com que o músico e compositor libanês Rabih Abou-Khalil atua habitualmente, tendo já acompanhado Ricardo Ribeiro, noutras ocasiões, tanto no palco lisboeta, como aconteceu no ano passado, em junho, como em várias atuações do fadista português atuou com o grupo de Abou-Khalil.
A peça “Toada de Portalegre”, com música de Abou-Khalil, estreia-se na quinta-feira, no teatro lisboeta e volta a esta sala na sexta-feira e no sábado, no âmbito das celebrações do 5.º aniversário da classificação do Fado como Património Imaterial da Humanidade, pela UNESCO.
Em declarações à agência Lusa, Ricardo Ribeiro afirmou que apresentar a “Toada de Portalegre” foi “uma odisseia e, ao mesmo tempo, um orgulho”,cita o Notícias ao Minuto.
“Era um sonho meu, mas que todos alcançámos - eu, a orquestra, o maestro e o Rabih [Abou-Khalil]”, acrescentou.
Para esta composição de 75 minutos, não foi incluído “qualquer instrumento diretamente ligado ao fado, nomeadamente a guitarra portuguesa”, adiantou o criador de “Nos Dias de Hoje”.
“Esta música não é o fado, é uma outra que nem ouso qualificar”, disse o intérprete que adiantou não existir qualquer referência direta na composição aos ritmos portugueses, nomeadamente ao tradicional “Saias”, da região de Portalegre.
“Todavia, como quase tudo que é rítmico na música portuguesa, deriva da tradição árabe, pois é bom não esquecermos que os árabes estiveram na Península Ibérica durante oito séculos”, referiu o cantor, acrescentando que “haverá muitas frases musicais que nos irão parecer que estamos a escutar cante alentejano”.
“Rabih [Abou-Khalil] compõe de uma maneira que sentimos muito portuguesa e não distante de nós”, afirmou o intérprete de “Não rias”.
Para a “Toada”, que "é um poema muito extenso e profundo, que conta uma história", o compositor “fez a música que coincide com as palavras: se as palavras querem transmitir medo, o ambiente musical é esse, de medo, e por aí adiante, se é de alegria, a música transmite esse sentimento, se é de frustração, também o transmite”.
“O mais complicado foi decorar o poema”, confidenciou o artista que adiantou que o espetáculo vai ser gravado em áudio e vídeo.
O poeta José Régio (1901-1969) viveu em Portalegre, de 1928 a 1967, onde foi professor no então liceu nacional, atual Escola Secundária Mouzinho da Silveira.
Régio abre o poema dando um perfil geográfico da cidade, evocando que nela residiu: “Em Portalegre, cidade/Do Alto Alentejo, cercada/De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros/ Morei numa casa velha,/ velha grande tosca e bela/ À qual quis como se fora/ Feita para eu morar nela.../”.
A casa onde Régio morou era inicialmente uma pensão onde, conforme os quartos foram vagando, o autor de “Poemas de Deus e do Diabo”, os foi ocupando, acabando por ficar com a toda a casa, que atualmente é um museu, onde se destaca a coleção de Cristos, entre outras coleções, como as de louça e de mobiliário.
Ricardo Ribeiro afirmou que subjacente a esta estreia está a intenção de “chamar atenção para a obra do poeta, que é genial, é um dos maiores da Língua Portuguesa, de sempre”.
O fadista destacou ainda a faceta de ensaísta de Régio e o papel que desempenhou na sociedade do seu tempo, e adiantou que está a trabalhar com o compsoitor libanês no "Soneto de Amor", do poeta natural de Vila do Conde.
Amália Rodrigues (1920-1999) foi uma das poucas intérpretes que cantou e gravou um poema de Régio, “Fado Português”, com música de Alain Oulman.

Foto: OMS/AMEC/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter