Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ricardo Ribeiro.jpg

Ricardo Ribeiro e o Quarteto ARTEMSAX & Lino Guerreiro são vencedores do Prémio Carlos Paredes/2017, no valor pecuniário de 2.500 euros, anunciou a câmara de Vila Franca de Xira, que o patrocina.

“A edição 2017 do Prémio Carlos Paredes teve como vencedores, ex-aequo, Ricardo Ribeiro, com o álbum ‘Hoje é assim, amanhã não sei’, e o Quarteto ARTEMSAX & Lino Guerreiro, com ‘Projeto Michel Giacometti’”, anunciou a autarquia ribatejana.
“Os dois projetos vencedores, sendo estruturalmente diferentes, representam o que de melhor se faz atualmente e de forma complementar, por um lado no fado tradicional e, por outro, na música tradicional, reinventada com um estilo único”, refere o júri, citado pela edilidade.

 

Projeto_Michel_Giacometti-_-_Artemsax___Lino_Guerr

O júri foi constituído pelo escritor José Jorge Letria, em representação da câmara municipal vila-franquense, pelo compositor e músico Pedro Campos, pelo crítico musical Ruben de Carvalho e pelo compositor e cantor Carlos Alberto Moniz, em representação da Sociedade Portuguesa de Autores.

Ao prémio concorreram 26 obras, todos trabalhos discográficos editados no ano passado, tendo o júri “salientado a qualidade, quantidade e diversidade dos projetos apresentados, o que de certa forma contrasta com a crise vivida pelo mercado”, segundo a mesma fonte.
O Prémio Carlos Paredes é atribuído anualmente, desde 2003, pela Câmara de Vila Franca de Xira, com o objetivo de “homenagear um nome ímpar da nossa cultura musical e distinguir trabalhos discográficos de música instrumental não erudita, nomeadamente de raiz popular, que tenham sido editados no ano anterior a cada edição”.
Ricardo Ribeiro, de 36 anos, iniciou a carreira musical aos 12, e este ano foi um dos nomeados ao Prémio Melhor Artista do Ano pela revista britânica Songlines - que o definiu como a melhor voz masculina do fado da sua geração -, precisamente pelo álbum “Hoje é assim, amanhã não sei”.
No álbum, produzido por Carlos Manuel Proença, Ricardo Ribeiro “conjuga a sua voz pujante a músicos de excelência, a letristas e compositores de grande valor”, como João Maria dos Anjos, Vasco de Lima Couto, Manuel Mendes, Tozé Brito, Joaquim Pimentel, João Paulo Esteves da Silva, entre outros, segundo a autarquia.
Ricardo Ribeiro apresenta “Hoje é assim, amanhã não sei”, na sexta-feira à noite, no Auditório Municipal Eunice Muñoz, em Oeiras, com os músicos Bernardo Romão, na guitarra portuguesa, Bernardo Saldanha, na viola, e Daniel Pinto, na viola-baixo.
O Quarteto ARTEMSAX, que existe há 15 anos, é composto por João Pedro Silva (saxofone soprano), João Cordeiro (saxofone alto), Rui Costa (saxofone tenor) e Helder Madureira (saxofone barítono).
“Com uma carreira entusiasmante e reconhecida internacionalmente, os ARTEMSAX têm vindo a procurar novos caminhos e formas originais de ligar a sua performance a um sentido pedagógico, procurando promover o gosto pela música e o despertar de sensibilidades”, segundo a câmara de Vila Franca.
O grupo tem estreado obras criadas para si por compositores como Jorge Salgueiro, José Condinho e Lino Guerreiro.
O compositor Lino Guerreiro iniciou os estudos aos 19 anos no Conservatório Regional de Setúbal. Guerreiro é diretor artístico do projeto mixEnsemble, professor de Análise e Técnicas de Composição e de Música de Câmara, no Conservatório de Música D. Dinis, em Odivelas, leciona também Teoria e Análise Musical e de Música de Câmara na Escola Profissional da Metropolitana, em Lisboa.
Segundo a mesma fonte, na génese do “Projeto Michel Giacometti”, “duas vontades se cruzam, a criação de um ‘objeto’ promotor da identidade cultural portuguesa e o desafio da procura da modernidade”.
O Cancioneiro Popular Português, de Michael Giacometti e Fernando Lopes-Graça serviu de base à recolha dos temas apresentados no disco, “coabitando nestes a essência genuína da música popular e de novas abordagens estilísticas, denotadas nas orquestrações de Lino Guerreiro”.
Este trabalho, além da parceria do Quarteto ARTEMSAX com o compositor Lino Guerreiro, conta com a participação do Grupo Coral Ausentes do Alentejo, os Bardoada - o Grupo do Sarrafo, do percussionista Marco Fernandes, do acordeonista Paulo Machado e do Trio de Cordas de Palmela.
O primeiro vencedor do prémio foi Bernardo Sassetti, com o seu álbum “Noturno”. Ricardo Rocha, Mário Laginha, Pedro Jóia, Ricardo Rocha, Rão Kyao, Carminho e Pedro Caldeira Cabral foram alguns dos músicos distinguidos com o Prémio Carlos Paredes.
A data da cerimónia de entrega do prémio “será anunciada oportunamente”, pela câmara de Vila Franca de Xira.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter