Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

IMG_1711.JPG

Quartel de Campo de Ourique

 

Os processos de classificação do “Núcleo de génese pombalina do Quartel de Campo de Ourique”, em Lisboa, e do painel turístico em azulejo em Reguengo do Fetal, na Batalha, foram abertos, segundo despacho publicado no Diário da República.
Segundo o despacho, assinado pela diretora-geral do Património Cultural, Paula Araújo Silva, a zona de classificação do quartel situa-se no bairro de Campo de Ourique, nas ruas de Infantaria 16 e Ferreira Borges.
O núcleo, que está em vias de classificação, foi construído em 1762 no âmbito da política de reestruturação do Exército português, sob a égide do Conde de Lippe, durante o Governo do Marquês de Pombal, D. Sebastião de Carvalho e Melo.
Atualmente, funciona neste edifício a Escola de Serviço de Saúde Militar. Entre outras armas que aqui se instalaram como a de Infantaria, contam-se o Batalhão de Sapadores dos Caminhos-de Ferro, de que as instalações também foram aquartelamento.
O quartel, que foi alvo de alterações ao longo dos séculos, tem, entre outros motivos arquitetónicos e decorativos, vários azulejos com temática militar, uma porta de armas com a coroa real de D. José e uma biblioteca pombalina.
Entre outros factos históricos, foi deste quartel que saiu um batalhão que foi decisivo no apoio apoio às forças republicanas na rotunda, em 1910.
A proposta de classificação partiu do Departamento dos Bens Culturais, da Direção-Geral do Património Cultural.
Outro despacho, também assinado por Paula Araújo Silva, declara aberto o processo de classicação "do painel turístico em azulejo da extinta companhia aérea Pan Am, na encosta nascente da Estrada Nacional 356", que liga a Batalha a Fátima, na freguesia de Reguengo do Fetal, concelho da Batalha, distrito de Leiria.
A proposta de classificação do painel partiu da Direção Regional de Cultura do Centro.
Entretanto, cinco edifícios foram classificados como de “interesse público”, assim como o sítio arqueológico de Castro do Castroeiro, em Mondim de Basto, Vila Real, foi também publicado no Diário da República.
A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) publica seis despachos que classificam diferentes edifícios como de “interesse público”, entre eles, o Convento e Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, em Lisboa.
Na capital, obteve igual classificação o edifício da Sociedade Nacional de Belas-Artes (SNBA), “incluindo o património móvel integrado", que confina com as ruas Barata Salgueiro, Castilho e Mouzinho da Silveira, na atual freguesia de Santo António.
Outros imóveis classificados situam-se em Cascais, Sintra, Torres Vedras e Coimbra.
O despacho de classificação do antigo Convento de N. S. da Penha de França, inclui “o património integrado”.
O convento que pertenceu à Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho tem origem em 1597, como ermida de Nossa Senhora no cumprimento de um voto de António Simões efetuado na batalha de Alcácer-Quibir, em 1578. O convento entretanto erguido foi destruído pelo terramoto de 1755 e começou a ser reconstruído dois anos depois e, em 1834, no âmbito da lei de expulsão das ordens religiosas, passou a fazer parte dos imóveis do Estado.
A igreja manteve sempre serviço religioso e é sede da Irmandade de N.S. da Penha e de S. João Batista. Em algumas dependências conventuais funciona, atualmente, a direção nacional da PSP.
O convento possui um claustro de dois andares, retangular, e segundo o portal da DGPC, no interior da igreja “sobressai a riqueza de mármores policromos, em tons de azul, branco, verde e rosa”, destacando-se uma pintura atribuível a Pedro Alexandrino de Carvalho ou a Vieira Portuense, assim como “os altares laterais de talha dourada, com telas marianas atribuídas a Diogo Magira”.
O edifício da SNBA, também em Lisboa, “é um exemplo do ecletismo arquitetónico preconizado por grande parte dos arquitetos da época e neste caso particular por Álvaro Machado, seu autor, foi construído no início do século XX com uma estrutura mista de ferro, madeira e alvenaria de pedra”, lê-se no portal da SNBA.
O texto assinado pelos arquitetos Nuno Magalhães e David Dionísio afirma que “o edifício é testemunho de uma técnica construtiva que acusa a influência que a arquitetura dos engenheiros, muito divulgada nos finais do século XIX, teve em alguns dos arquitetos portugueses”.
Nos arredores da capital foram também classificados como de "interesse público" a Igreja de N.S. da Assunção, em Cascais, e o Solar da Quinta Velha do Hespanhol, “incluindo o património móvel integrado”, localizada em Carreiras, na União das Freguesias de Dois Portos e Runa, no concelho de Torres Vedras.
A Igreja Matriz de Cascais, cuja origem remonta a 1572, teve sucessivas remodelações, e na sua cobertura em abóbada de berço destaca-se, ao centro, uma pintura com a “Assunção de Nossa Senhora”, de José Malhoa, do início do século XX.
O fundador do Solar da Quinta Velha do Hespanhol, em Torres Vedras, terá sido o italiano Filippo Pallastrelli, pai de Bartolomeu Perestrelo, que capitaneou a expedição que descobriu a ilha de Porto Santo, da qual foi o primeiro capitão donatário.
Segundo a DGPC, no interior do solar “destacam-se os azulejos azuis e brancos desenhados por Leopoldo Luigi Batistini”, além da talha dourada e alfaias litúrgicas da capela.
Na área da azulejaria, há silhares que replicam a decoração do salão do Paço da Vila, em Sintra, bem como produção da Fábrica de Sant’Ana.
De "interesse público" foi também declarado o solar, jardins, capela, telheiro, fonte e tanque, da Quinta do Regalo, em Geria, na União das Freguesias de Antuzede e Vil de Matos, no concelho de Coimbra. A fundação desta quinta remonta ao século XVI e pertenceu à família Coutinho, que foi capitã-donatária da Bahia, no Brasil.
O Castro do Castroeiro, em Castroeiro/Campos, em São Cristóvão de Mondim de Basto, no distrito de Vila Real, foi também classificado como de “interesse público”.
Segundo informação da DGPC, este povoado, construído durante a Idade do Ferro (1.200 a 550 antes de Cristo), “dispunha de um complexo sistema de fortificação constituído por duas cintas de muralha com paramento duplo revestido com blocos graníticos”, e localiza-se na falda do Monte Farinha, a cerca de 500 metros do Santuário de N.S. da Graça.

Foto: NACAL/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter