Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

HM Manual Coração K PRESS OK.jpg

O novo disco de Helder Moutinho, “O manual do coração”, a editar a 06 de maio, é constituído exclusivamente por inéditos, sendo todas as letras de João Monge e músicas de diferentes compositores, entre os quais Vitorino e Carlos Barretto.

Mário Laginha assina igualmente uma das composições, assim como João Gil, João Monge, José Medeiros, Luís José Martins, Manuel Paulo, Marco Oliveira, Pedro da Silva Martins e Ricardo Parreira.
“O manual do coração” sucede a “1987”, editado em 2013, no qual o artista já gravou, entre outras, composições de João Gil e Marco Oliveira.
Quanto à escolha de João Monge como letrista exclusivo, Helder Moutinho, também poeta, afirmou que os textos do disco foram surgindo de longas conversas, entre o fadista e Monge, “abordando episódios e histórias que lhes aconteceram, pessoalmente ou a amigos”.
Desde o início ficou definido que as melodias seriam todas originais. “Acordámos que, assim que cada letra ficasse pronta, o Monge iria ver quem seria ‘a cara’ desse texto, e depois convidá-lo-íamos para compor a música”, contou.
O primeiro convidado foi o açoriano Zeca Medeiros, seguindo-se-lhe Manuel Paulo Felgueiras, Vitorino, João Gil, Pedro da Silva Martins e Luís José Martins - ambos dos Deolinda, e que já compuseram para outros fadistas, designadamente Ana Moura -, depois, Ricardo Parreira, Marco Oliveira, Carlos Barretto e Mário Laginha, estes dois últimos músicos da área do jazz, tendo Laginha já composto para Cristina Branco e Camané.
Helder Moutinho gravou este álbum numa residência artística no Centro Internacional de Musicas e Danças do Mundo Ibérico, Musibéria, em Serpa, entre dezembro do ano passado e janeiro último, com os músicos Ricardo Parreira, na guitarra portuguesa, Marco Oliveira, na viola, e Ciro Bertini, no baixo.
O álbum conta com a participação especial do contrabaixista Carlos Barretto.
“O manual do coração” compõe-se maioritariamente de “fados-canção”, embora "alguns temas respeitem a estrutura do fado tradicional”, segundo comunicado da produtora, lê-se no Noticias ao Minuto.
Uma “fuga” à utilização e valorização das melodias do fado tradicional que tem norteado a sua carreira, era importante neste disco, como referiu o criador de “Que fado é este que trago”.
“Mesmo por defender o fado tradicional, não fazia sentido para estas letras voltar a ir buscar fados tradicionais que já tivessem sido gravados muitas vezes. E acredito que alguns destes temas se vão tornar em novos fados tradicionais”, afirmou o fadista.
A ideia de “O manual do coração” é uma “coleção de contos”, que se vai estender à produção de palco, “com várias histórias à volta de um ponto de encontro que será a sala de espetáculos, que serão maioritariamente deste disco, mas poderão também vir dos anteriores”, realçou.
Em vinte anos de carreira, “O manual do coração” é o quinto álbum de Helder Moutinho, que se estreou discograficamente com “Sete fados e alguns cantos” (1999), seguindo-se “Luz de Lisboa” (2004), “Que fado é este que trago” (2008) e “1987” (2013).

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter