Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Lguerreiro.jpg

O guitarrista Luís Guerreiro atua a solo, no próximo sábado, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, onde apresentará um recital que reflete a sua carreira de mais 20 anos.

O músico, de 40 anos, toca há 23 anos, e está projetar gravar o seu primeiro álbum a solo, que será editado em 2017, mas, no palco de Belém, disse à Lusa que não perspetiva adiantar temas do disco, noticiaram os media.
"Irei tocar as guitarradas que costumo tocar nos espetáculos de fadistas que acompanho normalmente, nomeadamente a Carminho e a Cuca Roseta, e também algumas melodias tradicionais de fado com arranjos meus", afirmou.
O interesse de Luís Guerreiro pela guitarra portuguesa começou aos nove anos, quando o pai lhe ofereceu uma, e começou a dedilhar o instrumento incentivado por um vizinho, que tocava.
"A sério, quando tomei a decisão que seria por aqui a minha vida, foi também cedo, aos 14 anos, e tudo foi acontecendo muito naturalmente", contou.
Aponta António Parreira como seu mestre, com quem aprendeu "muito", e também Paulo Parreira.
A viver nos arredores de Lisboa, Luís Guerreiro, começou a acompanhar fadistas, "ainda não tinha a carta de condução".
"Quando ia tocar, quem me levava, e depois trazia, era o meu irmão, que pacientemente esperava que a noite acabasse", recordou.
A casa de fados Forte D. Rodrigo, em Cascais, do fadista Rodrigo, foi o seu primeiro palco, um espaço onde trabalhou, entre outros, com os fadistas Ivone Ribeiro e Manuel de Almeida, "mas iam lá muitos, grandes mestres, como o Fontes Rocha e outros".
A sua primeira experiência de palco, e grandes espetáculos foi com o fadista Nuno da Câmara Pereira e, aos 22 anos, começou a acompanhar Mariza, com quem atuou em grandes palcos internacionais como o Carnegie Hall, em Nova Iorque, Royal Festival Hall, em Londres, a Ópera de Sydney, ou o Festival Internacional da Canção do Cairo, entre outros.
"Foi uma experiência gratificante, muito interessante e uma grande aprendizagem", comentou o músico.
Quanto a referências, Luís Guerreiro citou os guitarristas Jaime Santos, José Nunes e Raul Nery, "e muitos que estão atualmente a tocar como o José Manuel Neto".
Luís Guerreiro atua no pequeno auditório do CCB, acompanhado pelos músicos Flávio César Cardoso, na viola, e Marino de Freitas, na viola baixo, no âmbito do ciclo "Há fado no cais", uma iniciativa em parceria com o Museu do Fado.

Foto: CCB/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter