Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




GSMae.jpg

O novo CD de Gonçalo Salgueiro, “Mãe”, é apresentado no dia 14 de outubro, em Lisboa, e assinala o regresso da etiqueta discográfica Estoril, aos álbuns originais, nove anos depois da morte do seu fundador, Manuel Simões.

A temática materna é o traço de ligação dos fados, com letras de autoria do próprio Gonçalo Salgueiro, mas também com poemas de Miguel Torga, João Linhares Barbosa e João Fezas Vital, entre outros autores, interpretados em melodias originais e fados tradicionais, como o Noquinhas, de Fernando Freitas, Alberto, de Miguel Ramos, Santa Luzia, de Armando Machado, ou a Marcha, de Alfredo Marceneiro.
“Gravar este CD foi uma forma de exorcizar as dores de um luto, e partilhar este sentimento com outras pessoas”, disse o fadista.
Dos 14 fados que compõem o CD, nove têm letra de Gonçalo Salgueiro, que abre o alinhamento com “Mãe”, um poema de Miguel Torga, que gravou numa melodia de Frei Hermano da Câmara.
Salgueiro assina “Homem Triste”, “Preso em Mim”, “Vi Nossa Senhora”, “Eutanásia dos Sentidos”, “Canção Fria”, “Na Praia da Solidão”, “Materno Lume”, “Cinzas”, que gravou no Fado Santa Luzia, ao qual se referiu como o seu “fado fetiche” e “Maria que Amaste Demais”, que canta numa música original de Jorge Fernando, autor que assina a letra e música de um dso temas que também gravou “Colo de Mãe”.
“O meu trabalho é sempre altruísta, e quando tive esta perda... O sofrimento, a dor, a saudade são muito grandes, mas quando partilhei este sentimento, através das redes socais, descobri que havia muitas outras pessoas que estavam a passar pelo mesmo”, contou o fadista, acrescentando que “cantar é uma forma de exorcizar a dor" que sente.
“Este disco é como uma libertação dessa dor, e não o fiz só para mim, mas também para quem me ouve e que passou pelo mesmo”, disse.
O fadista, por seu turno, afirmou à Lusa que gosta “da modernidade na continuidade do tradicional”. “Nunca rejeito o passado, pois não existe futuro, sem passado nem sem o presente”, disse.

Nas letras de sua autoria, a palavra “mãe” está absolutamente ausente, uma questão que foi “propositada”, explicou o fadista, que evitou "muitas das letras" que considera "um pouco derrotistas e até lamechas”.
“Acho que se pode dizer a mesma coisa por outras palavras, o sentido está todo lá, basta a pessoa estar atenta”, declarou, acrescentando: “O meu desabafo poético é todo interior, e nunca com comiseração. É sim de admiração, de devoção e de amor”.
Salgueiro assina “Homem Triste”, “Preso em Mim”, “Vi Nossa Senhora”, “Eutanásia dos Sentidos”, “Canção Fria”, “Na Praia da Solidão”, “Materno Lume”, “Cinzas”, que gravou no Fado Santa Luzia e define como o seu “fado fetiche”, e “Maria que Amaste Demais”, que canta numa música original de Jorge Fernando, autor que assina a letra e música de um dos temas que também gravou “Colo de Mãe”.
O fadista foi acompanhado em estúdio pelos músicos Sandro Costa, na guitarra portuguesa, Ivan Cardoso, na viola, e Eurico Machado, na viola baixo.
O fadista gravou em estúdio, "como se fosse ao vivo, sem repetições” e realçou o facto de a FMS lhe ter “respeitado totalmente” a vontade, com “toda a liberdade de criação e criativa”.

“A edição deste CD insere-se nos objetivos traçados por Manuel Simões para a Fundação que instituiu em 2001, designadamente o apoio aos novos valores na área do fado”, disse a presidente da FMS, Rosa Amélia Piegudo.
Gonçalo Salgueiro “é detentor de uma voz extraordinária a que alia uma capacidade interpretativa que o colocam com um dos mais seguros valores fadistas, e neste álbum torna contemporânea a temática materna, tão cantada pelo género. Canta letras suas, de outros autores contemporâneos, como Jorge Fernando, faz uma ponte a grandes autores da tradição fadista como Linhares Barbosa e Fezas Vital e, ao mesmo tempo, a autores eruditos como Miguel Torga”, disse Piegudo, afirmando que o fadiosta "alia bom gosto musical, a conhecimento da tradição fadista e empenho artístico".
Gonçalo Salgueiro apresenta o CD “Mãe” no dia 14 de outubro, pelas 16:00, na Livraria Ferin, em Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter