Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O álbum de Gisela João, editado no ano passado, venceu por unanimidade o Prémio José Afonso 2014, tendo o júri considerado que a fadista é “a melhor voz que já apareceu depois de Amália”.
"Talvez não seja exagero considerar Gisela João a melhor voz que já apareceu depois de Amália”, afirma o júri, citado pela Câmara da Amadora, que instituiu o prémio, em comunicado.
“Sem prejuízo da qualidade reconhecida a vários outros intérpretes de exceção, considera o júri que a qualidade ímpar da voz de Gisela João, cheia e profunda, a afinação imaculada em todos os registos, a naturalidade, sem qualquer esforço, com que interpreta, quer os temas mais ágeis quer os mais líricos, fazem da cantora, uma das mais lídimas representantes do fado nos nossos dias”, escreve o júri, referindo-se à genuinidade da cantora, numa citação feita pela Câmara da Amadora.
O júri considerou que o álbum “Gisela João”, produzido por Frederico Pereira, é o “culminar de toda uma excelente série de discos e novas vozes que têm aparecido no fado na última década”.
O álbum de Gisela João, editado pela Valentim de Carvalho, é composto por temas do repertório de Amália Rodrigues, falecida em 1999, como “Sei finalmente”, e de outras intérpretes como “Sou tua”, de Flora Pereira, ou “Voltaste”, gravado por Florência, ao lado de inéditos como “Vieste do fim do mundo”, e foi considerado no ano passado, pela revista Blitz, como um dos álbuns do ano.
O álbum “Gisela João” levou a melhor da lista dos seis finalistas e da qual também faziam parte os álbuns “Raiz”, de Cuca Roseta, “Mundo Pequenino”, dos Deolinda, “Terra Seca”, de Mário Laginha, “Az”, dos Azeitona, e “Contramão”, de Pedro Abrunhosa, que foi distinguido este ano com o Prémio Maestro Pedro Osório, pela Sociedade Portuguesa de Autores.
Este ano a revista Blitz editou o CD da fadista intitulado “Sem filtro”, que inclui temas gravados ao vivo e dois em estúdio. Os dois temas de estúdio são do repertório de Amália Rodrigues, designadamente “Quando os outros te batem beijo-te eu”, de Pedro Homem de Mello, no Fado Aracélia, de Armando Machado, e “Lá na minha aldeia”, de Alberto Janes.
Gisela João, natural de Barcelos, fez parte do elenco do restaurante típico Senhor Vinho, da fadista Maria da Fé e do poeta José Luís Gordo, e no ano passado gravou o álbum em nome próprio. Anteriormente, a intérprete tinha gravado com a banda Atlântida, em 2009.
O júri foi constituído pelo vereador da Cultura da Amadora, António Moreira, a pianista Olga Prats, o músico Sérgio Azevedo, e a Chefe da Divisão de Intervenção Cultural, Vanda Santos.
O prémio foi instituído em 1988 e é atribuído anualmente pela Câmara da Amadora, tendo em conta um álbum “cujos temas tenham como referência a Cultura e a História Portuguesas”, refere a câmara.
Fausto, Vitorino, Dulce Pontes, Filipa Pais, Gaiteiros de Lisboa, Deolinda, António Pinho Vargas e Sérgio Godinho são alguns dos nomes que já receberam Prémio José Afonso.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter