Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




9789722530996_D Afonso III.jpg

Diogo Freitas do Amaral aponta o Rei D. Afonso III como “um dos mais notáveis” soberanos portugueses, “embora seja quase ignorado por alguns historiadores” e “desconhecido da grande maioria dos portugueses”, na biografia que escreveu do monarca, intitulada “D. Afonso III, o bolonhês. Um grande homem de Estado”.

“Espero que essa injustiça possa começar a ser reparada com este livro”, declara o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, numa nota de abertura do livro, na qual afirma que o bisneto de D. Afonso Henriques é “atacado sem razão” por vários autores.
Freitas do Amaral adverte todavia que este não é uma "obra de investigação, mas de reflexão e divulgação", segundo o Porto Canal.
"Não tem autoria de historiador, mas de cidadão. Não tem aspirações científicas, mas cívicas", sublinha.
O Rei D. Afonso III conquistou definitivamente o Algarve, transferiu a capital do país de Coimbra para Lisboa, e foi durante o seu reinado que, pela primeira vez, representantes do povo participaram nas cortes, realizadas em Leiria, em 1254.
D. Afonso foi nomeado pelo Papa, em 1245, “defensor e governador do Reino” de Portugal, estando D. Sancho II, seu irmão no trono, que, entretanto, em 1247, se exilou em Toledo, em Espanha.
O "Bolonhês" assumiu a chefia do país “em completa anarquia” perante a apatia de D. Sancho II, que depois de conquistas e anos de Governo se encerrara no paço. Os últimos cinco anos do reinado de D. Sancho II foram marcados pelo “desinteresse pela guerra, obsessão sexual [por D. Mécia de Haro, com quem casara] e por uma grave anomalia psíquica, geradora de apatia na governação e de esbanjamento dos bens da coroa”.
À frente dos destinos de Portugal o soberano teve, “como principais problemas a resolver”, a pacificação da sociedade portuguesa, a conquista definitiva do Algarve, e o reforço "dos direitos da Coroa e do ‘povo miúdo’, contendo e limitando os abusos do clero e da nobreza”, escreve Freitas do Amaral.
Segundo o autor, “um Rei de Portugal tão bem preparado para o ser, [como D. Afonso III], nunca houve outro -, e ainda por cima sem o stress próprio dos herdeiros do trono”.
D. Afonso foi o terceiro filho de D. Afonso II e D. Urraca, logo, segundo as normas da monarquia, não seria um herdeiro direto, antecedia-lhe D. Sancho, e D. Leonor, que foi Rainha da Dinamarca.
Quanto à preparação do infante português, Freitas do Amaral refere a sua larga experiência na corte da Dinamarca, onde acompanhou a irmã, e na de Paris, onde viveu sob a tutela da tia, a Rainha regente de França, D. Branca de Castela, e, mais tarde, ao lado do primo, o Rei Luís IX.
D. Afonso viveu 16 anos em França onde estabeleceu “amizades, bons contactos, relações com os grandes deste mundo” e adquiriu “uma visão direta do Estado e do poder”. Foi também em França que o infante português adquiriu experiência militar, tendo combatido ao lado do rei seu primo-direito, contra o conde de La Marche, que se aliara ao Rei de Inglaterra, nomeadamente na batalha de Saintes, onde os seus feitos e bravura foram exaltados pelos cronistas da época.
D. Afonso III tomou o cognome d’”O Bolonhês” por se ter casado com D. Matilde, condessa de Bolonha, região no nordeste de França. Já Rei de Portugal, e depois de se ter separado de D: Matilde, D. Afonso III casou, em 1258, com D. Beatriz de Castela.
A obra “D. Afonso III, o bolonhês” é editada pela Bertrand. Diogo Freitas do Amaral é autor de extensa bibliografia jurídica e, entre outros escritos, refira-se da peça "O magnífico reitor", levada à cena em março de 2001, de uma biografia de Viriato e outra de D. Afonso Henriques, que, como informa a nota de abertura de “D. Afonso III, o bolonhês", teve 18 edições e vendeu cerca de 80 mil exemplares.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter