Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

805f6e3cb001e02b29038794931aacaa.jpg

Jardins do Palácio dos Marqueses de Ficalho, em Serpa.

 

A programação do Festival Terras Sem Sombra (FTSS), no Baixo Alentejo, que começa hoje, em Almodôvar, inclui pela primeira vez visitas guiadas a zonas ou monumentos históricos, para além dos concertos.
O mote do 13.º FTSS, que se realiza até 01 de julho, é “Do Espiritual na Arte. Identidades e Práticas Musicais na Europa dos Séculos XVI-XX”, sendo Espanha o país convidado, com a presença de vários músicos espanhóis, entre eles os 'cantaores' Esperanza Fernández e Arcangel, ou os músicos Guillaume Santana, Lucas Macias, Vicent Alberola e Enrique Bagaria.
As visitas orientadas antecedem cada um dos concertos, que se realizam em oito concelhos da região, estando todas agendadas para as 15:00 e os concertos para as 21:30.
"Muitos dos monumentos que se irão visitar não estão habitualmente abertos ao público. Entre outros, refira-se o Palácio dos Marqueses de Ficalho, em Serpa, ainda moradia da família", disse à Lusa fonte da organização.
O palácio é um exemplar da arquitetura residencial barroca, com destaque no interior para "salas intercaladas por galerias, ambas apresentando revestimento azulejar seiscentista" e "destacando-se também no seu conjunto o aqueduto assente sobre as antigas muralhas".
O FTSS abre hoje em Almodôvar, onde a proposta é uma visita ao Convento de Nossa Senhora da Conceição, fundado em 1680, e que pertenceu à Ordem Terceira de S. Francisco.
Em Odemira, no dia 04 de março, a visita será à Igreja da Misericórdia, e ainda em março, no dia 25, em Santiago do Cacém, ao Palácio dos Condes de Bracial, no centro da cidade.
Em abril, no dia 08, em Castro Verde, a visita realiza-se à Igreja de N. S. dos Remédios, também conhecida por Igreja das Chagas do Salvador devido à lenda que atribui a sua fundação original a D. Afonso Henriques, no local onde se situaria a morada do ermitão que anunciou ao Rei a aparição de Cristo, prometendo-lhe a vitória na Batalha de Ourique.
Em maio estão previstas visitas ao Palácio dos Marqueses de Ficalho, em Serpa, no dia 06, e à Capela do Calvário, em Ferreira do Alentejo, no dia 27.
"No seu interior [a capela] apresenta também algo pouco comum nos templos cristãos em Portugal, ou seja, fiadas de pedras salientes em toda a sua estrutura", sendo considerado o ex-libris desta vila baixo-alentejana.
Em junho realizam-se as duas últimas visitas, respetivamente à Ermida de S. Bartolomeu, em Sines, no dia 03, e ao Colégio de S. Francisco Xavier, em Beja.

grandola-2013.jpg

Na área de salvaguarda da biodiversidade, as ações realizam-se na manhã do dia seguinte ao concerto e contam, habitualmente, com a participação de alguns dos músicos.

Amanhã, dia 12 de fevereiro, a ação desenvolve-se na Serra de Um ou do Caldeirão, onde se irá “procurar compreender as mudanças recentes no meio natural, principalmente depois do grande incêndio de 2004, e apontar caminhos para o futuro”, explicou à Lusa fonte da organização.
Em março realizam-se ações em Odemira, no dia 05, “Pelos Meandros do Mira – um olhar sobre os gradientes do grande rio do sudoeste”, e em Santiago do Cacém, no dia 26, “A Paisagem Cultural em torno do Convento do Loreto – Assegurar a sua Continuidade”.
Na ação em Santiago do Cacém, “o dia será dedicado à salvaguarda do montado de sobro, incidindo num aspeto fulcral da sua sobrevivência – a sua renovação", segundo a mesma fonte, que adiantou que "para tal serão plantadas várias dezenas de sobreiros, provenientes do viveiro de Valverde do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, em Alcácer do Sal”.
“Pretende-se ainda definir um ‘caderno de encargos’ para o acompanhamento das plantas, assegurando a sua proteção à herbivoria (pela colocação de protetores individuais) e aumentando a sua sobrevivência em período de estio com a rega pontual”, acrescentou.
Em abril, no dia 09, em Castro Verde, a ação intitula-se “Os passos do ciclo da lã”.
Em maio realizam duas outras ações, no dia 07, em Serpa, “Engenho humano e olival tradicional em torno da Serra de Ficalho”, e, no dia 28, em Ferreira do Alentejo, “O Sado – diagnóstico de um rio (ainda) desconhecido”.
“Como o rio Mira, o Sado nasce na Serra do Mu e corre de norte para sul. A sua importância está associada ao grande estuário, o qual, pelos valores de biodiversidade, cedo foi considerado Reserva Natural, mas existe um outro Sado desconhecido, continental, afastado da influência marinha, mas que continua a constituir fator identitário das populações e das suas manifestações culturais”, explicou.
Sines e Beja são os dois últimos cenários da biodiversidade, este ano, tendo por título, em Sines, “A fronteira entre o Atlântico e o Mediterrânico – a descoberta dos monges eremitas da Junqueira”, no dia 04 de junho.
“Tendo como pano de fundo um dos maiores complexos industriais de Portugal – a central termoelétrica de Sines -, iremos à procura da presença dos monges eremitas de São Paulo da Serra de Ossa e do Convento de N. S. da Junqueira”, adiantou.
Em Beja, no dia 18, a ação intitula-se “O Homem e o Guadiana, elementos que estruturam a paisagem”, e “o desafio decorre em torno do percurso PR1 – Azenhas e Fortins do Guadiana do município de Beja, um percurso pedestre homologado pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, com o seu término no Guadiana, onde se fará a avaliação do elemento água, recorrendo a um ‘kit’ de análise”.
Outro destaque do FTSS é a promoção de um produto da região, tendo sido eleito este ano o azeite da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches.

Fotos: DGPC/FTSS/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter