Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Exposição “Revista ao Parque” é inaugurada no dia no antigo Picadeiro Real, no Príncipe Real, Lisboa, apresentando por mais de mil peças relacionadas com a prática teatral no Parque Mayer.
A coordenadora da exposição, Filipa Veiga, disse que as peças expostas são provenientes de vários espólios, nomeadamente do do Teatro ABC, já extinto, do Maria Vitória, em atividade, do Museu do Fado e de Vasco Morgado, neto do empresário teatral Vasco Morgado, falecido em 1978.
“Os quatro teatros do Parque Mayer – ABC, Capitólio, Maria Vitória e Variedades - estão representados num só espaço de 600 metros quadrados, no qual se podem ver cenários em tela e em madeira, adereços de palco, fatos, programas, fotografias, desenhos de figurinos, etc.”, disse Filipa Veiga.
A responsável salientou o caráter “interativo” da exposição, dividida em seis núcleos, que permite “que as pessoas mexam em alguns objetos, como as reproduções dos programas originais que estão expostos, ou possam até usar alguns dos fatos e chapéus, maquilharem-se e posarem para a fotografia, num palco que foi especialmente montado”.
“Só fatos expostos para as pessoas vestirem são cerca de 300, do espólio do extinto Teatro ABC, e que foi oferecido” à recém-criada Junta de Freguesia de Santo António, em Lisboa, que organiza a exposição.
“Aos fins de semana vamos realizar ateliês de maquilhagem e costura, pare dar a ideia do modo de produção que existe quando uma peça ou uma revista é levada à cena”, afirmou Filipa Veiga, citada pelo Diário de Notícias.
Nos teatros do Parque Mayer estrearam-se revistas, comédias, dramas e até tragédias, mas também se exibiu cinema, fez-se patinagem, realizaram-se combates de boxe e ouviu-se o fado. Pelos seus palcos passaram praticamente todas as vedetas portuguesas “e muitas nasceram aqui”, disse Filipa Veiga.
A lista de atores, bailarinos, músicos, cantores e fadistas “é infindável, além de todos aqueles que não vemos e que estão na preparação do espetáculo como carpinteiros, pintores, eletricistas, costureiras, figurinistas, cenógrafos e, claro, o produtor”.
Na exposição é recriado “o escritório de um produtor, com o material e a decoração que perdurou até às décadas de 1970 e 1980”, adiantou.
A exposição estará patente ao público durante um mês, de 27 de março, Dia Mundial do Teatro, até 27 de abril, e a Junta de Freguesia de Santo António, em Lisboa, já entrou em contacto com outras autarquias, de modo “a que a exposição possa ir em digressão pelo país, dando a conhecer este mundo mágico do espetáculo no Parque Mayer”.
O investigador de teatro Vítor Pavão dos Santos, primeiro diretor do Museu do Teatro e autor da monografia “Revista à portuguesa”, primeiro estudo consagrado a este género, em Portugal, referiu-se ao Parque Mayer, nas imediações da avenida da Liberdade, em Lisboa, como “a Broadway portuguesa”.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter