Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




960x495_dad41ff6d3c88e3def8c34e9856da760.jpg

 

A exposição “Amália: Saudades do Brasil” está patente na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, quando se completam 40 anos sobre o álbum “Amália no Canecão”, uma das emblemáticas salas cariocas.

A exposição, que estará patente até 08 de dezembro, reúne os cartazes originais da estreia de Amália no Casino de Copacabana, em 1944, além de registos inéditos de som e imagem, incluindo a partitura original do clássico “Ai, Mouraria”, composto no Rio de Janeiro.
A mostra, ao lado dos documentos históricos, apresenta obras inspiradas na criadora de “Povo que lavas no rio”, assinadas por artistas contemporâneos, como Vik Muniz, Francesco Vezzoli e Ana Pérez-Quiroga, que apresenta “O quase mesmo autógrafo”, uma peça produzida propositadamente para esta mostra.
Esta peça de Pérez-Quiroga, natural de Coimbra, é constituída por 30 imagens impressas a jato de tinta sobre papel fotográfico “Epson UltraSmooth Fine Art Paper”, impressões de 29,7x21 centímetros, com texto impresso e texto vinil autocolante, explicou à Lusa fonte da organização da mostra, segundo o Observador.
A inaugração da exposição, que esteve já patente em S. Paulo, foi inaugurada no dia 05 de novembro, com um espetáculo na Grande Sala da Cidade das Artes, numa homenagem a Amália Rodrigues (1920-1999), com os fadistas Pedro Moutinho, Fábia Rebordão e Lenita Gentil, acompanhados por Custódio Castelo, na guitarra portuguesa, Carlos Menezes, na viola baixo, e Jorge Fernando, voz e viola, músico que acompanhou Amália e a quem coube a direção musical.
A mostra visa dar “a conhecer a relação de Amália Rodrigues com o Brasil, a importância deste país na construção da sua presença no mundo”, segundo comunicado da organização.
Amália Rodrigues (1920-1999) deslocou-se várias vezes ao Brasil, onde gravou discos pela primeira vez, e onde criou, entre outros, o “Fado Xuxu” e “Ai, Mouraria”, ambos de Amadeu do Vale e Frederico Valério, e gravou o seu primeiro poema, “Corria atrás das cantigas”, no Fado Mouraria.
No início da década de 1950, a fadista gravou um conjunto de temas de autores brasileiros como “A coroa do rei”, "Saudades de Itapuã", "Falsa baiana" e “Nega maluca”.
Foi no Brasil que a artista se casou pela segunda vez, numa altura em pensou abandonar a carreira, como afirmou várias vezes à imprensa da época.
O título da exposição, com curadoria de Frederico Santiago, Luís Neves e Sara Cavaco, remete para uma composição de Vinicius de Moraes, “Saudades do Brasil em Portugal”, composta para a voz de Amália, e que a gravou em dezembro de 1969, quando o criador brasileiro visitou a fadista na sua casa em Lisboa, e ali se realizou uma tertúlia, em que, entre outros, participaram Natália Correia, David Mourão-Ferreira e José Carlos Ary dos Santos.
Amália Rodrigues, com o compositor luso-francês Alain Oulman, gravou “Naufrágio”, da brasileira de ascendência açoriana Cecília Meirelles, e ao Brasil foi buscar um outro título, “Formiga Bossa-Nova”, do português Alexandre O'Neill, que Oulman também musicou.

AmaliaCanecao.jpg

 

A fadista atuou regularmente no Brasil e a exposição “dá a conhecer a relação de Amália Rodrigues com o Brasil, a importância deste país na construção da sua presença no mundo e a influência que a artista teve e continua a ter nas novas gerações de criadores, não só na área da música como também nas artes visuais”, segundo a organização.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter