Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




600.jpe

 

O álbum “Lisboa, cidade, fado”, de António Rocha, é o primeiro disco a solo gravado ao vivo pelo fadista, numa produção dirigida pelo maestro Paul van Nevel, com quem trabalhou, nomeadamente no Festival Laus Polyphoniae.

Em declarações à Lusa, citadas pelo Porto Canal, o maestro belga afirmou que era seu desejo, desde “há muito tempo, conseguir captar e gravar o António Rocha no seu verdadeiro ambiente, numa casa de fados, num serão entre amigos, de quase celebração mística”.
O CD foi gravado no ano passado, a 09 de novembro, à noite, nas Arcadas do Faia, ao Bairro Alto, em Lisboa, onde António Rocha canta regularmente.
“Uma gravação feita à primeira, de seguida, sem retoques em pós-produção, o mais autêntico que foi possível captar”, realçou Paul van Nevel.
António Rocha, em declarações à Lusa, afirmou: “Gosto do trabalho final, mas sei que sou capaz de fazer melhor”.
O álbum, apenas em distribuição internacional, é constituído por 14 temas, a maioria de autoria de António Rocha, que também é poeta, interpretados, na maior parte, em melodias tradicionais, mas também de compositores contemporâneos como Paulo Valentim e Fernando Silva.
Além dos poemas de sua autoria, António Rocha canta letras de Hélder Moutinho, António Campos e Domingos Gonçalves Costa.
Na opinião do maestro belga, António Rocha, de 77 anos, está “firmemente ancorado na cena fadista lisboeta, cuja interpretação é única”.
“António Rocha, com mais de 60 anos de carreira, representa o fado tradicional, nada de confusões com um recente moderno fado, que se mistura com jazz, música pop ou blues, que é muito visto, maioritário até, fora de Portugal”, prosseguiu o maestro para quem António Rocha é “a mais proeminente figura na cultura fadista, sem paralelo na Europa como guardião da tradição do Bairro Alto, absolutamente insubstituível".
Neste CD, o fadista é acompanhado à guitarra portuguesa por Fernando Silva e à viola por Paulo Ramos.
Referindo-se à sessão de gravação, Paul van Nevel sublinhou que evoca “uma atmosfera intimista, aquela que acontece no Faia quando o absoluto silêncio urge por si, quando canta António Rocha”, e dai ter convidado uma “plateia de conhecedores” do género, “atentos a cada palavra que é cantada, a cada silêncio que é feito”.
António Rocha, que aos 13 anos venceu o concurso do jornal Ecos de Portugal, e se estreou, profissionalmente, em 1956, “dá a cada verso o seu compasso preciso, e é um paradigma de flexibilidade tonal, mestre tanto nos trinados como nos requebros [vibrato] e nos ‘pianinhos’”. "Um estilista absoluto", assegurou Van Nevel.
O maestro e musicólogo, fundador do Huelgas Ensemble, especializado em música antiga, realça ainda a “grandeza humana” de António Rocha, além da sua maioridade artística, que o fazem vir, anualmente, há 30 anos a Lisboa, para ver e ouvir o fadista.
António Rocha foi eleito, em 1959, “rei do fado menor”, trabalhou na rádio onde foi responsável por uma rubrica sobre fado, com Ema Pedrosa e Armando Marques Ferreira, é um dos fundadores da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado, e faz parte do Gabinete de Ensaios do Museu do Fado.
Internacionalmente, participou, entre outros festivais, nos de Nantes, em França, de Gent, na Bélgica, Músicas do Mundo, em Barcelona, e no Sabadeño, na ilha espanhola de Tenerife, nas Canárias.
Sob a direção de Paul van Nevel, e com a fadista Beatriz da Conceição, falecida no passado dia 26 de novembro, António Rocha gravou o álbum “Tears of Lisbon/Les larmes de Lisbonne” ("Lágrimas de Lisboa").
O álbum “Lisboa, cidade, fado” sucede a “Silêncio, ternura e fado”, editado pela Ovação em 2003.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter