Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




AnaFilomenaAmaral.jpg

A escritora Ana Filomena Amaral, com o conto “Mulheres de água”, venceu o Prémio Internacional “Cidade de Araçatuba”, no Estado de S. Paulo, no Brasil.

O conto, adiantou a autora, “aborda sobretudo o sofrimento das mulheres em todas as circunstâncias de crise, o peso que sobre elas recai para criar os filhos, gerir a casa com o magro orçamento familiar e as lágrimas que tantas vezes choram na calada da noite, escondidas do mundo, vertem a água de que são feitas”.
O prémio, no valor de dois mil reais (cerca de 535 euros), inclui a publicação do conto na coletânea “Contos 2015” e o convite para participar na 6.ª Jornada de Literatura de Araçatuba, de 14 a 18 de setembro próximo.
Em declarações à Lusa, a escritora afirmou que vai participar na 6.ª Jornada de Literatura de Araçatuba, tanto mais que tinha previsto deslocar-se ao Brasil, para a apresentação e promoção do seu romance “O cassador de muros”, publicado em outubro do ano passado.
Sobre a vitória, Ana Filomena Amaral disse que “foi completamente uma surpresa”. “Concorri desportivamente; encontrei o concurso através da Internet e decidi participar pela graça, aliás apresentei o conto a outros concursos, também no Brasil, dos quais se aguarda o resultado, mas não estava à espera de uma estreia vitoriosa”, afirmou a escritora.
Segundo a organização do galardão, esta é a 28.ª edição, embora o concurso tenha sido lançado há três décadas.
O júri desta edição foi constituído pelo presidente da Academia Araçatubense de Letras, Tito Damazo, e por outras personalidades das letras paulistas, designadamente, Ester Mian, Emília Goulart, Tharso José Ferreira, Carlos Brefore e Marilourdes Campezi.
Segundo a organização, o concurso “é uma forma de contribuir para estimular a produção literária, sendo há 30 anos da responsabilidade da secretaria municipal de Cultura de Araçatuba.
Além do Prémio Internacional, ganho pela escritora portuguesa, foi distinguido, a nível Nacional (Brasil), o conto “A tonsura da vida conforme se rege”, de José Humberto da Silva Henriques, e, a nível Regional (Estado de S. Paulo), “Capitão do céu”, do fotógrafo Mário Henrique Silveira Bueno.
Ana Filomena Amaral, de 53 anos, é mestre em História Económica e Social Contemporânea pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, possui o curso de pós-graduação em Ciências Documentais/Biblioteconomia, atualmente é técnica superior do Ministério da Educação.
É autora dos romances “Uma porta abria-se a fogo” (1989), “O segredo do cavalo-marinho” (1995), “A casa da sorte” (2004), “A coroa de Góis” (2007).
Escreveu também as monografias históricas “Avintes na margem esquerda do Douro” (1993), “Góis entre o rio e a montanha” (1997) e “Maria de Lourdes Pintasilgo: Os anos da Juventude Universitária Católica Feminina – 1952-1956” (2009).

Foto: DR/FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)




Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter