Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




PCCabral.jpe

 

O músico e compositor Pedro Caldeira Cabral apresenta no sábado, em Lisboa, um concerto em que evoca guitarristas “cuja importância artística foi esquecida” e homenageia Carlos Paredes, nos 90 anos do seu nascimento.

O concerto, intitulado “Guitarristas Lendários – homenagem a Carlos Paredes”, realiza-se no Jardim de Inverno do Teatro S. Luiz, às 19:00, e surge na sequência do Prémio Carlos Paredes, que o músico recebeu no ano passado.
“Vou evocar um conjunto de guitarristas cuja importância artística foi esquecida, apesar de terem sido nas suas épocas figuras de relevo, e procuro também homenagear o grande Carlos Paredes, na passagem dos 90 anos sobre o seu nascimento”, disse à Lusa Pedro Caldeira Cabral, cita o Observador.
O músico defendeu que é tempo de reatar a guitarra portuguesa como instrumento solista, e não simplesmente como instrumento que acompanha o fado.
“Nós temos uma tradição da guitarra como instrumento solista que remonta ao século XVIII”, disse Caldeira Cabral, que citou o guitarrista “Manuel José Vidigal, que anunciava os seus recitais na Gazeta de Lisboa, em 1778, 1787 e noutras datas”.
“Desse período há crónicas de visitantes estrangeiros que ficavam impressionados com o virtuosismo de Vidigal”, acrescentou o músico.
O recital no S. Luiz visa “valorizar essa vertente solista [da guitarra portuguesa], que atinge o seu auge no século XX com músicos como Artur Paredes, Carlos Paredes e eu próprio, e revitalizou, digamos assim, a tradição solística e tornou o instrumento, um instrumento de concerto, coisa que [antes], praticamente não existia”.
Segundo Caldeira Cabral, “depois da morte dos grandes concertistas do século XIX, como João Maria dos Anjos, Renato Varela, Júlio Silva, o próprio Armandinho, de uma certa maneira, que se apresentaram em salas de concerto”, a guitarra portuguesa ficou “confinada” a instrumento de fado.
A primeira peça do recital de Pedro Caldeira Cabral, “Fofa da Rozinha”, atribuída a António Vieira dos Santos (1784-1854) e, ao longo do programa, o músico pretende demonstrar a dinâmica da guitarra portuguesa com peças de João Paullo Pereira, José Maria dos Cavalinhos, Luís Carlos da Silva Petroline, que atuou para a corte do Czar das Rússias, Anthero da Veiga, da família Paredes – Gonçalo, Manuel, Artur e Carlos -, de Armando Freire, conhecido como Armandinho, e termina em composições de sua autoria.
Referindo-se à escolha de uma peça de Anthero da Veiga, o guitarrista afirmou que este compositor “foi importantíssimo para se perceber a evolução da guitarra na transição do estilo de Lisboa para o estilo de Coimbra”.
Do diplomata e notário Anthero da Veiga (1866-1960), que gravou em 1929 e 1930 na Catalunha, e atou em vários palcos de Espanha, Pedro Caldeira Cabral vai tocar “Bailados do Minho” que apontou como uma “peça emblemática do estilo da guitarra de Coimbra”, tendo sido gravada em 1928 por Artur Paredes, pai de Carlos Paredes (1925-2004).
Anthero Veiga marca também um corte entre a tradição escrita de música e a tradição oral, que irá imperar no século XX.
“O próprio Carlos Paredes é um homem da tradição oral, que não tem formação [académica] musical, não domina a leitura de partituras e não tem deste modo a possibilidade de abordar um repertório mais vasto, além do da própria tradição oral”, referiu.
Pedro Caldeira Cabral, que é acompanhado por Joaquim António Silva, em violão, e Duncan Fox, no contrabaixo, encerra o recital com três peças de sua autoria, “Fantasia verdes anos”, “Balada da oliveira” e “Baile dos carêtos”.
O instrumentista, compositor e musicólogo Pedro Caldeira Cabral conta 65 anos e começou a tocar aos 17, tendo acompanhado vários fadistas, como Amália Rodrigues, pontualmente, e João Braga, entre outros, e destacou-se como concertista e líder do grupo de música antiga La Batalla.

Foto: D.R./FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

0CMaraquinhas.jpg

 

Alfredo Marceneiro 

Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro e Fernando Maurício são alguns dos artistas que integram a série discográfica “Estrelas da música portuguesa”, da Ovação, que recupera para o digital alguns êxitos do repertório de nomes como os de Fernanda Maria, Maria da Fé, Ada de Castro, Beatriz da Conceição, Rodrigo, Tristão da Silva e Tony de Matos, num total de dez CD.
Em média, cada CD conta dez temas do artista e um texto sobre a sua carreira, bem como a reprodução de documentos da época, nomeadamente, fotografias de promoção, capas de álbuns, partituras ou recortes da imprensa.
O CD de Amália Rodrigues (1920-1999) inclui, entre outros temas, “Ai, Mouraria”, “Foi Deus”, “Há festa na Mouraria” e “Casa portuguesa”. No texto assinalam-se as principais etapas da carreira daquela que “foi a grande ‘embaixadora’ de Portugal no mundo”, afirma a discográfica, que frisa que “o seu canto e o seu fado ficarão para sempre”.

amalia_1.jpg

 


O único texto assinado, por Vítor Duarte Marceneiro, é respeitante a Tony de Matos (1924-1989). O CD inclui, entre outros, os êxitos do artista “Cartas de amor”, “Vendaval”, “O destino marca a hora” e “A tal”, mas também temas menos conhecidos na sua voz, como “Vou dar de beber à dor” e “Rosinha dos limões”.
Vítor Duarte Marceneiro marca presença noutro CD, ao lado do seu avô, Alfredo Marceneiro (1888-1982), com quem interpreta “Lucinda camareira”. Este CD inclui outros fados de Alfredo Marceneiro, que o neto aponta como o “patriarca do fado”, nomeadamente, “Sonho dourado”, "Rainha santa”, “Moinho desmantelado” e “O pagem”, na sua maioria melodias de autoria de Alfredo Marceneiro.
O CD de Tristão da Silva (1927-1978), conhecido no início da carreira como “o miúdo do Alto Pina”, apresenta “grandes temas que são relíquias sonoras e que espelham bem o perfil deste famoso cantor”, afirma a discográfica. “Velha Lisboa”, “Povo cativo”, “Menino, menino” e “Aquela janela virada pró mar”. Este é o CD que inclui o maior número de temas, quinze.
O CD Fernando Maurício (1933-2003) inclui, entre outros, “O fado é condão”, “Quando em sinto só”, “Bairro eterno" e “Loucura”. O estudioso de fado Luís de Castro considerou à Lusa que “não foi ainda dado o lugar de grande relevo na História do Fado que Maurício merece e não lhe foram reconhecidas as excelentes qualidades fadistas”, apesar de em vida ter sido apontado como “o rei do fado”.
Outro dos CD que integram esta série, com o menor número de temas – oito –, é o de Beatriz da Conceição, de 75 anos, distinguida em 2008 com o Prémio Amália Carreira. Do CD constam “Dei-te um nome em minha cama”, “Balada das mãos ausentes” e “Eu nasci amanhã”.
Outras distinguidas com o Prémio Amália Carreira, são Fernanda Maria e Ada de Castro, ambas com 78 anos; sobre a primeira afirma a Ovação ser o “símbolo do fado castiço”, quanto à segunda, considera que tudo o que canta soa a fado.
De Fernanda Maria, o respetivo CD inclui “As pedras da minha rua”, “Ele zangou-se comigo” e “Candeia”, entre outros, e do de Ada consta “Minha senhora Lisboa", “A Rosa de Alfama” e “Voz do povo”.
O CD de Maria da Fé, fadista que este ano, com Rodrigo, encerrou o Festival "Aqui mora o fado", em Lisboa, inclui êxitos como “Valeu a pena”, uma criação de Carlos Ramos, “Fado errado”, “Até que a voz me doa” e “Meu Portugal, meu amor”. O CD de Rodrigo inclui “Cais do Sodré” e “Ardinita”.

Fotos D.R./FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/7



Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter