Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cartaz Alice.jpg

A fadista e atriz Alice Pires, com 40 anos de carreira, é homenageada na quarta-feira, dia 01 de abril, em Lisboa, num espetáculo em que participam António Rocha, Maria Armanda, Ricardo Ribeiro, Lenita Gentil e Filipa Parreira, entre outros.

O poeta e encenador Mário Raínho, em declarações à Lusa, afirmou que Alice Pires é "uma fadista castiça, que pela maneira de cantar se insere na antiga tradição fadista das cantadeiras", segundo o Notícias ao Minuto.
Alice Pires, de 58 anos, tem no seu repertório vários poemas de Mário Raínho, que já a dirigiu em várias revistas no Teatro Maria Vitória, nomeadamente “Arre Potter qu'é demais!” e "Vá para fora... Ou vai dentro!".
“A Alice [Pires] é uma atriz de grande talento, surpreendeu tudo e todos logo na sua estreia e teve ótimas críticas. Atriz versátil, tanto em teatro como na televisão, a quem o público não mete medo e com quem tem uma imediata empatia”, afirmou Raínho.
A homenagem a Alice Pires realiza-se às 21:00, no Teatro Maria Vitória, em Lisboa, e conta ainda com a participação dos fadistas Pedro Moutinho, Fábia Rebordão, Jorge Fernando, Maria Mendes, Tiago Simões, Cristiano de Sousa, Lena Valério, Carlos Maia e Ana Catarina Grilo.
Todos os fadistas são acompanhados pelos músicos Arménio de Melo, na guitarra portuguesa, e Francisco do Carmo, na viola, e uma guitarrada por Sandro Costa.
Na homenagem à criadora de "Fado oração" (Mário Raínho/João Vasconcelos) participam também os atores Fátima Severino, Paulo Vasco, Élia Gonzalez Flávio Gil e Nuno Pires, que interpretarão o quadro “Festival da canção”, da revista “Tudo isto é fardo!”, atualmente em cena naquele teatro do Parque Mayer.
Alice Pires venceu na década de 1980 o concurso "Canção de Lisboa", tendo a atriz Beatriz Costa, um dos membros do júri, se referido então à fadista como "a Edith Piaf do fado".
Alice Pires começou como fadista, atuou em várias casas de fado, entre elas, as Arcadas do Faia, no Bairro Alto, em Lisboa, onde esteve 12 anos e que lhe deixou "as melhores recordações", contou.
Em declarações à Lusa, Alice Pires recordou que já "cantava ainda pequena, subia para uma cadeira e cantava, mas, com audiência, foi aos 12 anos, no Caramão da Ajuda [em Lisboa]".
“Atração nacional” em várias revistas, fez também parte dos respetivos elencos como atriz, tendo integrado o da última revista levada à cena no Teatro Laura Alves, em Lisboa, "O nosso amor é Lisboa", de Paco Gonzalez.
Na televisão, Alice Pires fez parte dos elencos de "Cabaret", "Herman Enciclopédia", “O olhar da serpente”, “Vá cavar batatas”, “Morangos com açúcar” e “Uma casa em fanicos”, entre outras.
Em março de 2006, o seu trabalho como atriz foi distinguido com a Máscara de Ouro.
Entre outros, a fadista participou no projeto “Entre Vozes”, ao lado de Maria da Fé, Lenita Gentil, Alexandra, Maria Armanda e Teresa Tapadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Guitolão (1).jpg

O músico António Eustáquio apresenta pela primeira vez, em Portugal, o guitolão, instrumento idealizado pelo guitarrista Carlos Paredes, num concerto com orquestra de cordas, a realizar em abril, em Castelo de Vide, no Alto Alentejo.

O programa do concerto, no dia 03 de abril, às 22:00, no Cine Teatro Mouzinho da Silveira, na Vidigueira, Alto Alentejo, tem “um repertório solístico, explorando as sonoridades mais emblemáticas da paisagem sonora da cultura portuguesa, sendo o guitolão sublimado pela grandeza das texturas orquestrais”, adiantou à Lusa fonte da produção, citada pelo Observador.
António Eustáquio e a Camerata Lusitana vão interpretar, de Joseph Haydn, “As sete últimas palavras de Jesus Cristo na cruz”, de Wolfgang A. Mozart, “Divertimento III”, e, do próprio Eustáquio, a "Suite das Folhas".
O guitolão é um instrumento idealizado por Carlos Paredes, que o construtor de instrumentos Gilberto Grácio concretizou, tendo sido apresentado pela primeira vez em 2005.
Numa entrevista à Lusa, Gilberto Grácio apresentou o novo instrumento como “uma evolução da tradicional guitarra portuguesa, com uma sonoridade mais ampla”. Em todo o mundo existem apenas três exemplares, segundo o construtor.
A Camerata Lusitana é dirigida pelo concertino Antônio Miranda, sendo constituída pelos primeiros violinos Otto Pereira, André Pereira e Oksana Kurtash; como segundos violinos conta com Vasco Broco, Fernando Sá, Ângela Pereira e Ana Maia; como violetistas, com Raquel Massadas e Alice Neves; por violoncelistas, Marco Pereira e Nuno Abreu e, como contrabaixista, Artur Senhor.
O músico e compositor António Eustáquio gravou recentemente um novo trabalho discográfico com o guitolão, desta feita, em colaboração com o contrabaixista Carlos Barretto. Este novo álbum tem “lançamento previsto para o próximo mês de maio”, disse fonte da sua produtora.
António Eustáquio nasceu em Portalegre, frequentou o Conservatório Regional de Castelo Branco, estudou Música Antiga, em Paris, com Henri Agnel e, no serviço militar, fez parte da Orquestra Ligeira do Exército.
Eustáquio fez parte da Orquestra da Felicidade e do Conservatório Regional de Música de Portalegre, no qual exerceu o cargo de presidente da direção. É um dos fundadores do Quarteto do Sol, com o qual gravou um CD, e fundou o quarteto com guitarra portuguesa Sons do Tempo.
A “Suite das Folhas” foi composta originalmente para esta formação, com a qual gravou um CD e com quem participou no 1.º Festival da Guitarra Portuguesa, em Portalegre, que organizou.
O músico fundou também a Camerata Lusitana, conjunto instrumental que propõe a utilização da guitarra portuguesa na execução de repertório de música do período barroco, com a qual gravou dois CD. Atualmente trabalha no denominado “Projeto Guitolão”, e faz duo com o contrabaixista Carlos Barretto.
Entre outros, participou, no Festival de Música Mediterrânica na Córsega, com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, no de Música da Bulgária, com a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras.
Também neste dia, no ‘foyer’ do teatro, é inaugurada uma exposição de pintura intitulada “Suite das Folhas”, de Ana Laranjo.
“Esta exposição faz a articulação com as obras a executar no concerto em Guitolão e Orquestra, sendo constituída por sete quadros, tal como os sete movimentos da suite”, disse fonte da produtora do músico.

Foto: FMS

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/10



Bem-vindo


Parcerias


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Visitas

Flag Counter